sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Não deixem isso acontecer!

Pr. Robert H. Pierson, ex-presidente da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia (1966-79), proferido a 16 de outubro de 1978 perante o Concílio Anual da Igreja mundial.


Esta será a última vez que me apresentarei no meu atual cargo perante os líderes mundiais da minha igreja, a vossa igreja, a nossa igreja, e tenho algumas palavras para vos deixar.

Tomo os meus pensamentos a partir de algo que o irmão e a irmã Ralph Neal escreveram, descrevendo como tipicamente uma seita evolui para uma igreja. Eles dizem que uma seita é muitas vezes iniciada por um líder carismático com tremenda energia e empenho, e que surge como um protesto contra o mundanismo e formalismo de uma igreja. É geralmente acolhida pelos pobres. Os ricos perderiam demasiado juntando-se-lhe, já que é impopular, desprezada e perseguida pela sociedade em geral. Tem crenças definidas, firmemente apoiadas por membros zelosos. Cada membro faz uma decisão pessoal de se juntar e sabe no que acredita. Há pouca organização ou propriedades e há poucos edifícios. Pregadores, muitas vezes sem educação, surgem por compulsão interior. Há pouca preocupação com relações públicas.



E então passa para a segunda geração. Com o crescimento vem a necessidade de organização e edifícios. Como resultado da indústria e frugalidade, os membros tornam-se prósperos. Com o aumento da prosperidade, a perseguição começa a diminuir. As crianças nascidas no movimento não têm que tomar decisões pessoais para nele participar. Eles não sabem necessariamente sabem no que acreditam. Não precisam para chegar às suas próprias decisões. Elas foram elaborados para eles. Pregadores surgem mais pela seleção e pelo aprendizado para os membros mais velhos do que por compulsão interna direta.
Na terceira geração, a organização desenvolve-se e as instituições são estabelecidos. É achada necessidade de escolas para transmitir a fé dos pais. Faculdades são estabelecidas. Os membros têm de ser exortados a viver de acordo com as normas, enquanto ao mesmo tempo, os padrões de adesão vão sendo rebaixados. O grupo torna-se negligente com o corte de membros não praticantes. O zelo missionário esfria. Há mais preocupação com relações públicas. Os líderes estudam métodos de propagação da sua fé, por vezes empregando recompensas extrínsecas como motivação aos membros para o serviço. Os jovens questionam porque são diferentes dos outros, e contraem matrimónio com aqueles que não são da sua própria fé.
Na quarta geração, há muito mecanismo; o número de administradores aumenta enquanto o número de trabalhadores nas bases torna-se proporcionalmente menor. São realizados grandes concílios de igreja para definir doutrina. Mais escolas, universidades e seminários são estabelecidas. Estes procuram acreditação do mundo e tendem a se tornar secularizados. Há um reexame das posições e modernização de métodos. É dada atenção à cultura contemporânea, com interesse nas artes: música, arquitetura, literatura. O movimento visa tornar-se relevante para a sociedade contemporânea, tornando-se envolvido em causas populares. Os serviços tornam-se formais. O grupo goza de aceitação completa pelo mundo. A seita tornou-se uma igreja!
Irmãos e irmãs, isto nunca deve acontecer com a Igreja Adventista do Sétimo Dia! Isto não é simplesmente mais uma igreja - é a igreja de Deus! Mas vós sois os homens e as mulheres sentados neste templo esta manhã, em quem Deus está a contar para garantir que isso não aconteça.
Agora mesmo, irmãos e irmãs, há forças subtis que estão começando a agitar-se. Infelizmente há aqueles na igreja que depreciam a inspiração da Bíblia, que desprezam os 11 primeiros capítulos do Génesis, que questionam a curta cronologia da Terra apresentada no Espírito de Profecia, e que de modo subtil e não tão subtil atacam o Espírito de Profecia. Há alguns que apontam para os reformadores e teólogos contemporâneos como fonte e norma para a doutrina Adventista do Sétimo Dia. Há aqueles que supostamente estão cansados dos conceitos antiquados do adventismo. Há aqueles que querem esquecer os padrões da Igreja que amamos. Há aqueles que cobiçam e que cortejariam o apreço dos evangélicos; aqueles que dispensariam o manto de um povo peculiar; e aqueles que iriam pelo caminho do mundo secular e materialista.
Colegas líderes, amados irmãos e irmãs – não deixem isso acontecer! Rogo-vos tão fervorosamente quanto eu posso esta manhã – não deixem isso acontecer! Faço um apelo à Universidade de Andrews, ao Seminário, à Universidade de Loma Linda – não deixem isso acontecer! Nós não somos Anglicanos do Sétimo Dia, não somos Luteranos do Sétimo Dia – somos Adventistas do Sétimo Dia! Esta é a última igreja de Deus com a última mensagem de Deus.
Vós, os líderes, sois os homens e as mulheres com quem Deus está a contar para manter a igreja Adventista do Sétimo Dia como a igreja remanescente de Deus, a igreja que Deus tem destinado a triunfar!
A serva do Senhor diz:
"Terríveis perigos se acham diante dos que têm responsabilidades na obra do Senhor - perigos cuja ideia me faz tremer" (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 391).
E Ezequiel 22:30 diz:
"E busquei dentre eles um homem que estivesse tapando o muro, e estivesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse."
Esta manhã eu acredito, colegas líderes, que Deus está procurando homens e mulheres que sejam líderes intrépidos, homens e mulheres que amam a igreja de Deus e a verdade de Deus mais do que amam as suas vidas, para fazer com que, por Deus, esta igreja chegue até ao reino. A tarefa à nossa frente não vai ser fácil. Se eu entendo corretamente a Bíblia e o Espírito de Profecia esta manhã, à frente encontra-se um tempo de angústia, um tempo de desafio como esta igreja e este mundo nunca antes conheceram.
A serva do Senhor diz-nos:
"O inimigo das almas tem procurado introduzir a suposição de que uma grande reforma devia efetuar-se entre os adventistas do sétimo dia, e que essa reforma consistiria em renunciar às doutrinas que se erguem como pilares de nossa fé, e empenhar-se num processo de reorganização. Se tal reforma se efetuasse, qual seria o resultado? Seriam rejeitados os princípios da verdade, que Deus em Sua sabedoria concedeu à igreja remanescente. Nossa religião seria alterada. Os princípios fundamentais que têm sustido a obra neste últimos cinqüenta anos, seriam tidos na conta de erros. Estabelecer-se-ia uma nova organização. Escrever-se-iam livros de ordem diferente. Introduzir-se-ia um sistema de filosofia intelectual. Os fundadores deste sistema iriam às cidades, realizando uma obra maravilhosa. O sábado seria, naturalmente, menosprezado, como também o Deus que o criou. Coisa alguma se permitiria opor-se ao novo movimento. Ensinariam os líderes ser a virtude melhor do que o vício, mas, removido Deus, colocariam sua confiança no poder humano, o qual, sem Deus, nada vale" (Mensagens Escolhidas, v. 1, p, 204, 205).
A Igreja Adventista do Sétimo Dia teve o seu alfa anos atrás. Você e eu somos os líderes que irão enfrentar o omega que será da mesma origem subtil e diabólica. O seu efeito será mais devastador do que o alfa. Irmãos, peço-vos, estudai, sabei o que está à frente, depois com a ajuda de Deus preparai o vosso povo para enfrentá-lo.
"Deus chama homens que estão preparados para enfrentar emergências, homens que numa crise não serão encontrados no lado errado" (Review and Herald, 06 de dezembro de 1892).
E então eu chamo a atenção para uma visão que a serva do Senhor teve, em que ela viu um navio indo rumo a um icebergue. Ela disse:
"Ali, elevando-se muito mais alto que o navio, estava um gigantesco icebergue. Uma voz autorizada exclamou: "Enfrentai-o!" Não houve um momento de hesitação. Urgia ação rápida. O maquinista pôs todo o vapor, e o timoneiro dirigiu o navio diretamente para cima do iceberg. Com um estrondo o navio deu contra o gelo. Houve tremendo choque e o icebergue se desfez em muitos pedaços, despencando sobre o convés, com um ruído de trovão. Os passageiros foram sacudidos violentamente pela força da colisão, nenhuma vida se perdeu. O navio sofreu avaria, mas não irreparável. Refez-se da colisão, tremendo de proa a popa, qual criatura viva. E seguiu então seu caminho.

Bem sabia eu o significado dessa representação. Eu tinha minhas ordens. Ouvira as palavras, como uma voz que viesse de nosso Comandante: "Enfrentai-o!" Sabia qual meu dever, e que não havia um momento a perder. Chegara o tempo para ação decidida. Eu devia, sem tardança, obedecer à ordem: "Enfrentai-o!"(Mensagens Escolhidas, v.1, p. 205, 206).
Colegas líderes, pode ser que no futuro não tão distante, você terá que enfrentá-lo. Eu oro para que Deus lhe dê graça e coragem e sabedoria.

Finalmente,
"Que admirável pensamento é esse de que o grande conflito se aproxima do fim! Na conclusão da obra enfrentaremos perigos com os quais não sabemos como lidar; não esqueçamos, porém, que os três grandes poderes do Céu estão operando, que uma mão divina se encontra ao leme, e que Deus levará a cabo os Seus desígnios. Ele reunirá do mundo um povo que O há de servir em justiça" (Mensagens Escolhidas v. 2, p. 391).
Que garantia maravilhosa temos esta manhã, irmãos e irmãs, que você e eu estamos na obra de Deus. Este trabalho não é dependente de homem algum; é dependente do nosso relacionamento com Ele. Há apenas um caminho para enfrentarmos o futuro, que é ao pé da cruz. Uma igreja com os seus olhos sobre o Homem do Calvário não andará em apostasia.

Obrigado, irmãos e irmãs, por me darem o privilégio de servi-Lo durante os últimos 45 anos, e que Deus abençoe cada um de vós.

Nota: por motivos de saúde e após servir durante 13 anos como presidente da Conferência Geral, o Pr. Pierson aposentou-se semanas depois desta última intervenção perante a igreja. Ele faleceu em 1989, com 78 anos.

FONTE: http://otempofinal.blogspot.com/2011/09/nao-deixem-isso-acontecer.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário