sábado, 16 de abril de 2011

Em resposta ao amor

Todos correm para dar conta de suas atividades e o tempo parece voar. São tantos os atrativos, as necessidades, os deveres, os compromissos, os desafios, as metas a cumprir!

Como é fácil nos perder em meio a tantos afazeres e tirar os olhos das prioridades que permanecem e que realmente nos trarão paz, realização, senso de pertinência e aquele “algo mais” que buscamos.

A prioridade número um que está se perdendo com a falta de tempo é o relacionamento com Deus. Sem relacionamento pessoal, individualizado, não há conhecimento real, nem empatia, admiração, amizade, amor, respeito, compreensão. Não se sabe o que o outro gosta ou não.


Para manter o relacionamento com o ser humano “aquecido”, Deus estabeleceu o sábado, no sétimo dia da Criação (Gênesis 2:1-3), para um encontro semanal. Como a criação do universo e do mundo estava completa e perfeita em seis dias literais, num alto padrão de qualidade, Deus descansou, mudou de atividade (Salmo 121:3; Isaías 40:28), mas manteve Seu foco no ser humano.

Em reconhecimento ao cuidado, proteção, amor, sabedoria e poder divinos e em gratidão aos presentes da salvação, perdão e reconciliação com o Senhor, nós O adoramos. A adoração é uma estrada de mão dupla: é inspirada por Deus, mas a reação é nossa, através da oração, louvor, pregação, do serviço, da devoção e da homenagem prestada a Deus (prostrar-se como sinal de reverência). A verdadeira essência da adoração é o relacionamento divinamente estabelecido entre Deus e o homem, não os sentimentos (Salmo 95:6-11).

Quando descansamos das atividades corriqueiras da semana, no sábado, temos a oportunidade de contemplar as obras de Deus em nosso favor, nos sentimos alegres e nosso impulso é adorá-Lo, fortalecendo o relacionamento com o Senhor. Apreciamos a fauna, a flora, o relevo, as estrelas, as constelações, os planetas em tão profunda harmonia, diversidade e complexidade e somos levados de volta à origem, aos braços dAquele que tudo sabe, tudo pode e está atento para suprir cada uma das nossas necessidades. Quando adoramos a Deus no sábado, estamos respondendo positivamente ao Seu amor.

Rejane Godinho

É professora, bacharel e mestranda em teologia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo – UNASP

Nenhum comentário:

Postar um comentário