domingo, 8 de agosto de 2010

Desenvolvendo a paciência, o caráter

“Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações; Sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência. Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma.” Tiago 1:2 a 4, ACF)

A purificação do ouro é algo trabalhoso, e pode-se dizer que um tanto “dolorido” para a pedra de ouro que vai ao fogo. Uma temperatura altíssima a ponto de derreter a pedra fazendo com que a sujeira venha para cima do liquido que se formou, sendo por fim retirada. Depois de um trabalho árduo, temos uma joia impecável.

Deus requer de Seu povo uma purificação, para que o Seu Espírito seja derramado. Nestes últimos dias nos compete remediar de uma vez por todas nossas falhas de caráter e refletirmos completamente a Cristo, pois deste ponto depende a Sua volta.

““Vi que ninguém poderia participar do “refrigério” a menos que obtivesse a vitória sobre toda tentação, orgulho, egoísmo, amor ao mundo, e sobre toda má palavra e ação. Deveríamos, portanto, estar-nos aproximando mais e mais do Senhor, e achar-nos fervorosamente à procura daquela preparação necessária para nos habilitar a estar em pé na batalha do dia do Senhor. Cumpre-nos remediar os defeitos de caráter, purificar de toda a contaminação o templo da alma. ” (Eventos Finais pág. 166)

“Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então virá para reclamá-los como Seus.” (Parábolas de Jesus pág. 69)

Satanás levantou acusações contra Deus, contra Sua lei, Seu caráter, acusando de injustiça e ao tentar e vencer Adão e Eva, jugou provar que não se podia guardar a lei de Deus, hoje essa acusação ainda continua e permeia em nossas fileiras a mentalidade de que jamais poderemos deixar de transgredir a santa lei de Deus.

“Não vos assentais na poltrona de Satanás, dizendo que não adianta, que não podeis deixar de pecar, que não há em vós poder para vencer. Não há poder em vós, separados de Cristo, mas tendes o privilégio de ter Cristo permanentemente em vosso coração pela fé, e Ele pode vencer o pecado em vós, quando com Ele cooperardes.” (The Youth’s Instructor, 29 de junho de 1893).

“Requer-se obediência perfeita e aqueles que dizem que isso não é possível, lançam sobre Deus a acusação de injustiça e falsidade” (Manuscrito 148, 1899)

A lei de é justa e perfeita mas perante o universo Satanás acusa Deus por tirania e injustiça. Para provar ao contrário Cristo veio a esse mundo, encarnando a humanidade pois “julgou por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo” (Felipenses 2:6 e7), e guardou perfeitamente a Sua lei em sua letra e em sua essência, dando-nos o exemplo e o poder para seguir, nos conclamando a sermos perfeitos como também é nosso Pai celestial (Mateus 5:48).

A perfeição bíblica, trata-se de santidade, santificação, separação do mundo, o segundo estágio do plano da salvação. Tal importância há nesta segunda fase do caminho rumo a salvação em Cristo Jesus. Sem a santificação ninguém verá o Senhor (Hebreus 12:14).

“Os seguidores de Cristo devem tornar-se semelhantes a Ele – pela graça de Deus devem formar caráter em harmonia com os princípios de Sua santa lei. Isto é santificação bíblica. Esta obra unicamente pode ser efetuada pela fé em Cristo, pelo poder do Espírito de Deus habitando em nós. Paulo admoesta aos crentes: “Operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a Sua boa vontade.” Filip. 2:12 e 13. O cristão sentirá as insinuações do pecado, mas sustentará luta constante contra ele. Aqui é que o auxílio de Cristo é necessário. A fraqueza humana se une à força divina, e a fé exclama: “Graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo.” I Cor. 15:57.” (O Grande Conflito pág. 469-470)

“A santidade está ao alcance de todos aqueles que a buscam com fé, não por suas boas obras, mas pelos méritos de Cristo. O poder Divino dá a todos os que estão lutando a vitória sobre o pecado e Satanás.” (S.D.A. Bible Commentary, Vol. 7 pág. 299)

“Cristo tomou todas as providências para a santificação de Sua igreja. Ele fez abundante provisão para que cada alma tenha graça e poder que seja mais do que vencedora na guerra contra o pecado… Ele veio a este mundo e viveu uma vida sem pecado, para que, no poder de Cristo, Seu povo também possa viver vidas impecáveis. Ele deseja que eles pratiquem os princípios da verdade e mostrem ao mundo que a graça de Deus tem poder para santificar o coração.” (Review an Herald , 1 de abril de 1902)

Nos compete alcançarmos pela fé a justiça de Cristo, reivindicando o caráter de Deus perante todo o universo, pregando o evangelho “em testemunho a todas as nações” (Mateus 24:14, ACF). O evangelho deve ser pregado em testemunho e não para testemunho como algumas versões sugerem. Falar o evangelho é algo que se tem feito por décadas, mas viver o evangelho é algo que se tem faltado por séculos. “Falar é fácil, difícil é fazer” diz o ditado, e de fato é a realidade, mas Cristo nos promete algo maior, Ele “é poderoso para vos[nos] guardar de tropeçar, e apresentar-vos[nos] irrepreensíveis com alegria, perante a Sua glória” (Judas 24).

“Podemos vencer. Sim, plena, inteiramente. Jesus morreu para prover um meio de escape para nós, para que possamos vencer o mau gênio, cada pecado, cada tentação e nos assentarmos, afinal, com Ele”. (Testemunhos para a Igreja, Vol. 1 pág. 144).

“Cristo veio à Terra e viveu uma vida de perfeita obediência, para que homens e mulheres, por meio de Sua graça, pudessem também viver vidas de perfeita obediência. Isso é necessário para sua salvação.” (Review and Heralde, 15 de março de 19006).

“Cristo veio ao mundo para ser a garantia do homem, vencer em seu favor, viver para ele uma vida sem pecado para que em Seu poder o homem possa alcançar a vitória sobre o pecado.” (Signs of the Times, 26 de agosto de 1903 par. 2)

“Ele não veio salvar o homem no pecado, mas do pecado. E todos que sentem a necessidade de um Salvador, e vão até Ele crendo em Seu poder, obterão a vitória sobre o pecado.” (Signs of th Times, 24 de fevereiro de 1828, par. 13)

“E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.” (Mateus 1:21)

“Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.” (Hebreus 6:17 e 18)

“Mas agora, libertados do pecado [justificação], e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.[glorificação]” (Hebreus 6:22)

“Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.” (Efésios 5:27)

“Posso todas as coisas (até mesmo vencer o pecado) em Cristo que me fortalece.” (Felipenses 4:13)

“E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso SENHOR Jesus Cristo.” (1 Tessalonicenses 5:23). No que o texto nos diz irrepeensíveis para a vida de Jesus e não na vida de Jesus.

“…os que esperam contemplar uma transformação mágica em seu caráter sem resoluto esforço de sua parte, para vencer o pecado, esses serão decepcionados.” (Mensagens Escolhidas, Vol. 1 pág. 336)

É vencendo as tentações, superando as dificuldades, entrando na fornalha ardente, adquirindo paciência que construímos um caráter santo. “As provações da vida são obreiras de Deus, para remover de nosso caráter impurezas e arestas.” (O Maior Discurso de Cristo pág. 10). Tal como o ouro vai para a fornalha e sofre a transformação depois de uma temperatura muito alta, soltando toda sujeira e saindo por fim purificado, assim também deve ocorrer em nossa vida.

Deus quer moldar nosso caráter, moldar nossas tendências pecaminosas para que possamos viver na sociedade celestial, sem nem uma semente de rebeldia contra o Seu governo. Deus jamais apagará nossos desejos pecaminosos sem que nós queiramos que Ele apague. Tal atitude seria quebrar o nosso livre-arbítrio que Ele mesmo nos concedeu, então aceitando a justificação de Cristo na cruz devemos aceitar também a santificação pela fé tal como a justificação e sermos moldados pelo Espírito Santo (1ª Coríntios 1:30, 2ª Coríntios 7:1 , 2ª Tessalonicenses 2:13, 1ª Timóteo 2 : 15).

“É imputada a justiça pela qual somos justificados; aquela pela qual somos santificados, é comunicada. A primeira é nosso título para o Céu; a segunda, nossa adaptação para ele.” (Mensagens aos Jovens pág. 35)

Por Jean R. Habkost

Nenhum comentário:

Postar um comentário