terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Altar de Hollywood


Igreja e cinema. O que eles têm em comum? A resposta pode ajudá-lo a tomar uma decisão

É comprovado que o ser humano sempre teve necessidade de adorar alguma coisa em algum lugar. Pode-se ver isso em todas as culturas, em todos os lugares, até nos dias atuais. Do ponto de vista espiritual e escatológico, é interessante que o cinema surgiu no século 19, praticamente na mesma época que o movimento adventista. Quando foram feitos os primeiros filmes, as sessões eram realizadas nos mesmos horários de cultos e missas, aproveitando o tempo disponível das pessoas e o “ritual” que já era feito nesse tipo de deslocamento.

Para ir ao cinema, deve haver, obviamente, um deslocamento chamado pela psicologia de “representação dirigista”, ou seja, pessoas que não se conhecem se orientam em uma mesma direção, com o mesmo objetivo. Dessa forma, o indivíduo se sente sociável, representando a crença de que, para conseguir algo, deve-se sair de casa, e de que coisas importantes se fazem em locais especiais.

Pela Psicologia da Comunicação, o estudo da Semiótica, sabe-se que a pessoa que vai ao cinema está indo literalmente a um templo – é um ritual religioso em sua essência, sendo, então, o preenchimento da necessidade básica de adoração. O cristão que vai ao cinema possivelmente começará a perder a vontade de se deslocar até sua igreja. Há uma competição entre as duas “igrejas”. A necessidade que Deus colocou no ser humano – de adorá-Lo – será preenchida pelo ritual de ir ao cinema, um caminho, digamos assim, mais “atraente”.


Existe ainda outro vínculo com a religião. Quem não ouviu falar em termos como “astros”, “deuses” e “ídolos” do cinema? Geralmente, quando se comenta sobre determinado filme, surge uma frase como: “Você já viu o novo filme do Fulano?”, vinculando a produção não ao título, mas sim ao “ídolo”. Muitas vezes as pessoas vão ao cinema por causa do “ídolo” e acabam por seguir seu estilo de vida.

NO ESCURINHO DO CINEMA

Assistir a um filme no cinema também exige preparo. Som, imagem, escuridão... Tudo projetado para causar mais impacto. A psicologia chama isso de “suspensão da realidade” (ou da “credibilidade”). A pessoa, ao entrar no cinema (espaço fechado), experimenta a suspensão do dia-a-dia; deixa do lado de fora sua vida e “esquece” a realidade e o que rege sua existência – inclusive os princípios.

Na comparação cinema-igreja, existe ainda a questão de sentar na frente ou atrás e assistir de determinada maneira (vestuário). O indivíduo tem que estar com outras pessoas, necessitando do apoio de outro. Compartilhar é ser sociável, e o cinema preenche essa necessidade. Dentro do cinema, o corpo faz parte do ambiente, se incorpora a ele – todos que estão lá pertencem à linguagem dinâmica do filme; não há cinema sem pessoas interagindo.

O som surround, em volume alto, mexe com a noção de equilíbrio, de espaço do corpo. A tela gera a inquietude da “próxima cena” no espectador. Em qualquer tipo de filme, o cinema gera suspense, altera os batimentos cardíacos, a sudorese, causa ansiedade, e as trilhas sonoras contribuem muito para isso. As telas cada vez maiores, panorâmicas, englobando a visão fóvica (central) e a visão periférica do indivíduo, não geram escape visual, como numa televisão. E mais: o ambiente escuro e um único ponto de luz são fatores importantes para a hipnose (olhar atentamente para um ponto fixo). É bom lembrar que não mais do que 20% daquilo que vemos, ouvimos ou sentimos passa pelo consciente. O restante fica armazenado no inconsciente e não se tem controle sobre o que está guardado lá.

Agora, imagine que você foi ao cinema assistir a um filme. Você já fez um ritual religioso, foi adorar algo sem perceber. Deixou sua realidade fora do ambiente, seus sentidos estão tomados pelo contágio, pelo desenrolar do filme; o poder de um som alto e surround mexe com seu equilíbrio; tudo isso somado ao princípio da hipnose toma conta de seus sentidos. Você entra, participa do filme com todas as suas emoções e seu inconsciente acredita piamente que o que vê é realidade. Isso se torna a sua realidade. O que você faz?

1. Tem consciência de todos esses fatos e fecha os ouvidos e os olhos.

2. Tem consciência disso tudo e sai correndo do cinema – como José fugiu da esposa de Potifar –, e todos ficam achando que você é um maluco.

3. Não tem consciência de nada disso, acha que ir ao cinema é algo inofensivo, curte tudo “numa boa”, e depois sai da sala de cinema com a mente cauterizada e as emoções dessensibilizadas.

4. Não vai ao cinema e está com a mente livre de tudo isso.

A decisão é unicamente sua. A quem e onde você deseja adorar? Com que pessoas você quer ter comunhão? Com o que pretende se envolver? A quem você quer entregar seus sentidos e toda a sua vida?

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Provérbios 4:23.

Cristiano James Kleinert, designer e programador visual


Fonte: Conexão JA

Um comentário:

  1. O assunto é no minino interessante mas da forma tendenciosa e cheia de pré-conceitos como foi abordado aqui , infelizmente deixou bastante a desejar.

    ResponderExcluir