terça-feira, 28 de julho de 2009

O Segredo da Comunhão com Deus


(Clique para Ampliar)


CD Jovem: Cultura de massa na Igreja Adventista do Sétimo Dia?

Exposição de motivos: Interessante pesquisa sobre a influência da mídia na identidade do adventismo (no caso focada pela introdução de material áudiovisual na difusão especialmente da mensagem musical). Mais interessante ainda são os sinais observados de latente perda de foco da cosmovisão bíblica adventista do sétimo dia neste cenário, bem como das possibilidades que se descortinam considerado um quadro maior de inserção do povo do advento em um ambiente hostil às suas crenças, à manutenção da sua espiritualidade e, principalmente, de sua identidade, considerada em última instância a missão que nos foi concedida. Enfim, conclusões óbvias e profeticamente visualizadas tantas vezes pela serva do Senhor em um cenário mais amplo.

Para atender aos interesses deste espaço, principalmente em questão de agilidade e, para pontuar os contornos conclusivos do tema, transcrevemos apenas as impressões finais do autor, no entanto, o documento pode e deve ser compulsado em sua integralidade no link infra.


*.*.*.*


Quem poderia apostar que o relógio mudaria o mundo da civilização? E quanto mais a escrita? O próprio Gutemberg, um católico fervoroso, não apostaria que sua invenção poderia ser usada de forma poderosa contra a igreja. Mas isso ocorreu. Em sua obra Tecnopólio - a rendição da cultura à tecnologia (1994), Neil Postman mostra como a tecnologia foi modificando a sociedade em vários momentos da história.

Através da premissa de que a tecnologia é um ciclo onde o homem cria o meio e o meio cria o homem, ele afirma que até as crenças mais fundamentais como a verdade e a realidade são mudadas com a tecnologia (1994, p.18). Por exemplo, a invenção do relógio por monges beneditinos entre os séculos XII e XIII possibilitou ao homem a controlar melhor às atividades do dia, como as sete orações obrigatórias dos mosteiros. Mas “o relógio foi além das paredes do mosteiro, levando uma nova e precisa regularidade à vida do trabalhador e do mercador” que tornou possível o capitalismo (1994, p.24).

E a imprensa do alemão católico romano foi usada por outro alemão, um monge, que se voltou contra o poder papal e colocou a Bíblia nas mãos do povo. A religião cristã nunca mais seria a mesma (1994, p.25). O cristianismo estava também sendo influenciado pelos meios de comunicação de massa. Como foi descrito na introdução e no terceiro capítulo deste trabalho, à medida que o cristianismo foi se modificando seus meios de transmissão de conteúdo, sua mensagem também foi modificando.

Na Idade Média o catolicismo usava imagens iconográficas, sem a presença da escrita bíblica e sua liturgia era realizada numa língua estranha ao público. Essa comunicação litúrgica mostrava um Deus transcendente. Com a Reforma Protestante a Bíblia foi usada na língua do povo, assim como as músicas. Os cultos tornaram-se mais pessoais, transmitindo a idéia de um Deus mais imanente. Essa imanência fez com que os cultos pentecostais começassem a apelar para o emotivo.

Os neopentecostais que herdam esse método de liturgia mais imanente, apelando à emoção, buscam no seu contexto tecnológico a mídia audiovisual para não perder seu lugar na pós-modernidade. Pois na sociedade do espetáculo tudo é midiatizado pelo recurso da imagem. E o uso extensivo da mídia de massa visual super-enfatiza a emoção. Assim como “profetizado” por vários filósofos, a geração se tornaria escrava de sua invenção. O meio mudaria a mensagem e o seu autor.

A mídia usada pela igreja cristã a tem tornado mais secular, justamente o oposto de seu propósito. Estudos como o de Oliveira e Pires (2005), Klein (2006a) e Contrera (2006) mostram que o cristianismo ao se entregar ao uso da mídia de massa tem se tornado super-emotivo, existencial e mundano. Isso é uma descaracterização do cristianismo, ou seja, ao invés da igreja modificar os padrões seculares, o mundo é que tem modificado a igreja. E os adventistas do sétimo dia também têm enfrentado essa nova onda da religiosidade pós-moderna que tem secularizado o sagrado.

Para responder como essa influência pós-moderna está afetando a Igreja Adventista do Sétimo Dia no Brasil, parti do mesmo pressuposto de Postman e dos filósofos da comunicação da escola de Frankfurt, que o meio afeta o conteúdo. Como o conteúdo adventista é escatológico-essencialista, onde a razão bíblica é enfatizada, em detrimento de uma emotividade que gera uma desescatologia-existencialista, a igreja estaria correndo risco de perder sua identidade ao usar os meios de comunicação de massa.

E os números desse trabalho mostram que tal influência já pode ser percebida. Quando classificamos de forma mais geral todas as poesias musicais produzidas desde o início em 1995 até 2007, percebemos que a ênfase existencial está presente em 59% delas contra 41% de conteúdo mais escatológico. Isso tirando as músicas classificadas como litúrgicas que a princípio não são relevantes para a pesquisa. Apesar de ser menor que o esperado, e que o detectado em pesquisas com os neopentecostais, essa presença existencialista na mensagem adventista deve ser olhada com cuidado.

Quando adicionamos os resultados da análise dos vídeos essa preocupação se torna mais evidente. Músicas com poesias que retratam fidelidade a Deus são traduzidas em um relacionamento apaixonante de um casal de namorados. A relação Deus-homem se transforma numa novela jovem. Como Postman sugere, os autores normalmente não entendem o impacto que suas invenções podem causar (1994, p.25). E creio ser esse o caso da produção musical jovem adventista.

Mas ao detectar que cerca de 80% das imagens usadas para comunicar a mensagem no CD Jovem é ilustrativa, isso revela que a produção adventista é mal projetada. Pois não consegue produzir uma mídia capaz de unir texto e imagem. Isso a torna ineficiente para transmitir a mensagem da poesia. E quando essa união é tentada ela é mal sucedida e influenciada pelo existencialismo pós-moderno. Talvez por isso a presença de um roteiro romanceado para traduzir um conceito de fidelidade entre Deus e o crente.

Mas não seria essa pequena ênfase existencialista nas poesias uma oportunidade da Igreja Adventista do Sétimo Dia alcançar os pós-modernos? Como esse trabalho estudou apenas a influência do meio na mensagem e possivelmente na sociedade, é importante verificar o impacto que essas músicas causam nos ouvintes e assim fechar o ciclo da comunicação, onde o meio modela a mensagem que por sua fez modela o homem. Nesse trabalho nos atemos apenas à primeira parte. Mas a partir desse primeiro passo já podemos prever alguns impactos.

Após o CD Jovem e suas mídias audiovisual para serem usadas como auxílio na liturgia adventista, surgiram o ministério de louvor Está Escrito e as projeções da coletânea de músicas do Hinário Adventista. Apesar de não termos dados concretos ainda, podemos afirmar que o recurso áudio-visual de massa veio para ficar na Igreja Adventista do Sétimo Dia. A produção midiática Adventista só cresce em quantidade. CDs e DVDs, estudos bíblicos em vídeo, são produzidos cada vez mais para atender uma comunidade que espera esse tipo de produto.

Mas qual o impacto que isso tem gerado na comunidade adventista? Se levarmos em consideração o que Adorno afirmava quanto à cultura de massa (1974. p.19; 1975. p.176), essa onda de midiatizar o estilo de vida adventista tende a enfraquecer o conteúdo de sua mensagem e criar uma geração que não reflete nas razões de sua existência e de suas origens, que no caso do adventismo é profético-escatológicas.

Ao mesmo tempo, a proposta de Gene Edward Veith Jr. (1994) deve ser considerada. Em sua avaliação da pós-modernidade e o cristianismo, ele propõe que “a igreja poderá ter de apelar às emoções das pessoas, mas logo deverá ensiná-las a pensar biblicamente” (1994. p.219). Ou seja, a igreja não pode rejeitar a pós-modernidade e a cultura de massa, pois se fizer isso possivelmente não sobreviverá.

O que ela deve fazer é usá-la com cuidado. E para tanto, é necessário uma produção midiática bem planejada por comunicadores comprometidos com a mensagem adventista. E mesmo ao usar a mídia de massa, principalmente os recursos áudiovisuais, eles devem ser apenas um meio de atrair a um formato mais racional e bíblico. Talvez esse seja o desafio mais notável que essa comunidade cristã deverá enfrentar nesse século. E sua resposta poderá mudar completamente o rumo de sua identidade.

Rodrigo de Galiza Barbosa Bacharel em Teologia pelo Unasp Dez/2008


Fonte:
Revista Kerygma

Um Ministério de Música

Paulo escreveu sua primeira carta aos Coríntios buscando ajudar uma igreja dividida. Se você lê-la com atenção vai ver que procura esclarecer algumas questões que causavam polêmica na igreja. Uma delas era o dom de línguas. Uma confusão sem sentido, que agradava a um grupo de membros. Eles defendiam suas atitudes como saudáveis e necessárias para edificar a igreja.

Diante da situação Paulo faz uma profunda apresentação mostrando que não importa o quanto alguma coisa pareça fazer bem para a igreja, é preciso que seja compreensível e verdadeiramente edificante.

No meio de suas orientações ele dá um conselho precioso, que vai além do dom de línguas e envolve a música. Aliás, uma pergunta seguida por duas soluções ou orientações.

Em I Coríntios 14:15 ele diz: “Que farei então? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento”.

Esta é uma forma de encarar a música diferente do convencional. Para Paulo a música precisa ter sentimento, criação, emoção – o espírito; mas também ser vista e analisada pelo ângulo da razão - entendimento.

Diante de seu envolvimento com a música Adventista, é importante parar para fazer uma análise da música Adventista. Você já parou para pensar como tem sido sua relação com a nossa música?
A razão nos leva a encarar algumas realidades que precisam ser desenvolvidas.:

1. A música adventista precisa se tornar um resultado de mais oração, missão e integração e de menos discussão.
É comum em encontros, apresentações musicais, comissões, ou mesmo em conversas sobre música acontecerem sérias discussões entre defensores de estilos diferentes de música. São os chamados conservadores e liberais em ação.

Em muitos casos ainda não aprendemos que discussão e confronto nunca vão resolver a questão, por mais razão que alguém tenha.

Precisamos ter sempre em mente que somos uma igreja e temos um Deus. Nossas atitudes precisam refletir essa realidade. Há uma direção maior, justa e sobrenatural. Se alguma música ou músico não são como acreditamos que deveriam ser, precisamos demonstrar que temos o amor de Deus em nossa vida e ele se manifesta no trato com as pessoas. Vamos conversar sempre como irmãos, pessoas que se amam e se respeitam. Essa é a verdadeira atitude cristã.

Se a mudança que esperamos não acontece, é tempo de orar. O que a discussão não faz a oração é capaz de fazer. Se orássemos mais como líderes, músicos e membros, pela música e pelos músicos, veríamos muito mais milagres, harmonia e poder nesta área.

2. É preciso ter mais cuidado ao tratar, tocar e usar um instrumento tão poderoso como a música.
Ellen White é muito clara quando apresenta esse poder. No livro Educação, pág. 166 e 167 ela descreve uma lista do que a música é capaz:

• Fixar palavras na memória;
• Subjugar as naturezas rudes e incultas;
• Suscitar pensamentos;
• Despertar simpatia;
• Promover a harmonia de ação;
• Excluir a tristeza e os maus pensamentos;
• Impressionar o coração com as verdades espirituais;
• Diminuir o poder da tentação.

Esta lista pode, inclusive, ser ampliada por descobertas mais recentes sobre o poder da música. Ela também é capaz de:

• Provocar Lembranças;
• Levar a decisão;
• Expulsar Satanás;
• Ajudar na recuperação da saúde;
• Desenvolver ou retardar a inteligência;
• Influenciar no apetite.

Deus capacitou cada músico a entrar neste universo de poder. É preciso, entretanto, ter cuidado e habilidade. O grande desafio é:

• Não produzir apenas aquilo que os sentimentos e a criatividade mandam;
• Não produzir apenas aquilo que é a tendência do momento;
• Não produzir apenas aquilo que é ditado pelo gosto pessoal;
• Não produzir apenas aquilo que vende;
• Não produzir apenas aquilo que entretém;
• Usar o poder da música para transmitir mensagens espirituais consistentes;
• Usar o poder da música para engrandecer a Deus;
• Usar o poder da música para tocar corações.
Enfim, use o poder da música para salvar.

3. É preciso fortalecer a visão de um ministério de música Adventista.
Essa visão passa por alguns pontos:

a. Maior unidade entre músicos e pastores
Todos são ministros, apesar dos formatos de ministério serem diferentes. Os dois têm o mesmo objetivo – a salvação.

É muito triste ouvir gente falando por ai: “Pastores não podem falar de música porque esta não é a área deles”. Ou mesmo: “Os músicos são um risco ou um problema constante com suas produções”.

Esta separação não apenas enfraquece os dois, como limita extremamente o cumprimento da missão da igreja.

Aqueles que falam dos Pastores precisam melhorar sua visão. Realmente a maioria deles não são músicos e não entendem tecnicamente de música, apesar de haver um bom grupo deles que também tem preparo na área.

Por outro lado, eles entendem de Bíblia e devem ser porta-vozes da vontade de Deus.

Não podemos esquecer que Moisés não foi médico nem advogado, mesmo dentro da realidade de sua época, mas escreveu a base das leis civis e sanitárias de uma nação. Ellen White não era educadora, mas escreveu sólidas e respeitadas orientações nesta área e em várias outras.

As orientações de Deus estão acima da formação técnica. Afinal, Ele é o criador de todas as coisas.
Este preconceito deveria desaparecer pelo bem do ministério da música. Já aqueles que falam dos músicos, também precisam melhorar sua visão. Os músicos não são um risco, muito menos um problema, mas são colaboradores do ministério. Afinal, receberam um dom extremamente útil, fundamental e importante e que foi dado diretamente pelo Espírito Santo.

É aos músicos que a igreja recorre, sempre que precisa de músicas para seus eventos, CDs, hinários, etc.

São os músicos que, pelo poder de Deus, tem composto hinos que vem gravando mensagens espirituais e tocando corações por anos e por gerações.
Precisamos fortalecer a unidade entre os ministérios da igreja, especialmente o da Música e o pastoral. Os dois têm uma grande influência, um grande poder e uma grande missão.

b. Fortalecimento do uso da música no louvor congregacional
Precisamos dar à música um lugar especial em nossos cultos de adoração. Ela não pode ser usada para preencher espaços vazios, ou ocupar a congregação enquanto não começa algum programa.

Precisamos mudar o conceito de música mecânica ou automática, usada simplesmente para o cumprimento de um processo litúrgico.

É preciso conduzir qualquer momento de louvor envolvendo o adorador e fazendo com que ele seja profundamente influenciado pelas palavras e acordes daquilo que está sendo cantado, tocado ou apresentado.
Isso é utilizar a música como um ministério de adoração.

c. Uso da musica para o cumprimento da missão da igreja.
A música é uma das mais poderosas ferramentas para tocar corações. Ela precisa ser usada para alcançar aqueles que ainda não se entregaram.

Para isso não basta cantar ou tocar. É preciso ir mais além, colocar o coração em cada apresentação, não perder a chance de apelar a qualquer público ouvinte e desenvolver projetos para conquistar novas pessoas para Jesus. A música precisa se tornar, também, um ministério de evangelização.

d. Fortalecimento da vida espiritual de cada músico.
Ninguém dá aquilo que não tem. Se um músico quer compor o melhor acorde, escolher o melhor repertório, desenvolver os melhores conceitos, ter uma vida pessoal pura, que autentique sua música e, como resultado, tocar corações, é preciso se alimentar das coisas de Deus. Gastar tempo com a Bíblia e a oração. Não ter tempo para Deus é viver perdendo tempo.

Quem produz música para Deus, mas não tem uma relação com Ele, pode produzir belas peças de arte, mas não toca corações. Não tem um ministério.

Mais sério ainda é o caso de um músico que bebe de fonte impura e quer oferecer água pura. Vive ligado no que é popular, mas quer oferecer o que é espiritual. É preciso beber em fonte pura para oferecer água pura.

e. Produção e uso de músicas que edificam e tocam o coração das pessoas.
Sem dúvida, existe música para todo o tipo de momento e lugar. Há músicas que podem ser úteis em uma situação acabam sendo impróprias em outra.

O músico Adventista, porém, precisa ter bem claro que não importando o lugar ou o momento temos um compromisso com um ministério de crescimento espiritual, conversão e salvação.

Não temos tempo a perder. Queremos chegar ao céu, e nada pode nos desviar dessa rota.

• Precisamos diminuir a visão comercial e aumentar a visão espiritual;
• Precisamos diminuir a visão de entretenimento e aumentar a visão de adoração;
• Precisamos diminuir o conceito de show e aumentar o conceito de culto;
• Precisamos diminuir a visão de um artista e aumentar a visão de um ministro;
• Precisamos diminuir até mesmo aquilo que agrada e aumentar aquilo que edifica.

Música é arte, mas como músicos cristãos, precisamos reafirmar a idéia de que a arte está a serviço da mensagem. A música Adventista é um veículo de comunicação da mensagem da Bíblia para esse tempo. Isso é ministério de música Adventista.

UM CHAMADO DE DEUS
Deus está chamando você para um Ministério de Música. Este chamado é para:
• Os músicos profissionais Adventistas;
• Os compositores;
• Os produtores musicais;
• Os cantores e instrumentistas;
• Os maestros e líderes de grupos musicais;
• Aqueles que não são músicos, mas dirigem o departamento de música das igrejas.

Este convite vem dos dias de Davi. Depois de fortalecer o reino e conquistar Jerusalém para ser sua capital, Ele decidiu trazer a Arca da aliança para a cidade. Preparou uma tenda especial, reuniu o povo e estabeleceu um local de adoração.

Em I Crônicas 15 ele convocou os levitas e organizou todo o funcionamento do sistema de adoração, definindo exatamente o que cada um deles deveria tocar. Ao fazer isso deixou clara a importância dos músicos dentro do ministério e da adoração.

Chegou o momento de buscar a Arca e colocá-la no lugar preparado. No capítulo 15, verso 27 a Bíblia apresenta aqueles que tiveram destaque neste ritual: Davi, os levitas, os músicos, e Quenaías, chefe dos músicos. Este momento foi tão importante que até as roupas daqueles que participaram está descrita.

No capítulo 16:4-6 a Bíblia apresenta Davi nomeando os levitas para estarem constantemente ministrando o louvor. Mais uma vez registra o nome e a função de cada um.

No momento da chegada da arca, Davi encarregou, pela primeira vez, Asafe e sua família da coordenação do louvor. A partir daí, eles foram destacados para cumprirem este ministério regularmente.

Leia este relato na Bíblia. Quando são apresentadas as equipes de trabalho do templo, a primeira é a dos ministros da música. Fica clara a importância do ministério da música dentro do templo, de forma organizada, definida e bem planejada.

A história da Bíblia mostra que os músicos têm um papel fundamental no ministério de adoração a Deus. A atuação dos músicos e a adoração deveriam estar diretamente ligadas à intercessão.

O que ocorria durante aqueles momentos não era um show nem um momento de entretenimento musical. As pessoas chamadas por Deus exerciam literalmente um ministério. Elas tinham plena consciência da importância do papel que exerciam e o quanto à eficiência da adoração dependia do correto desempenho das suas funções.
O ministério da música, que atua diretamente na presença de Deus, que abre as portas do céu e traz o seu ambiente até a terra, tem um lugar especial nos planos de Deus. Precisamos de menos músicas que falem de Deus e de mais músicas que tragam a presença de Deus e sejam Sua voz. Elas podem ser para jovens ou para a igreja, para quartetos, solos, corais, bandas ou orquestras. Enfim, em qualquer grupo ou situação a prioridade precisa ser trazer o céu mais perto da terra.

Hoje precisamos resgatar mais desta visão de ministério. Precisamos focar mais na música que toca corações. Precisamos ir além da busca por um padrão de música. Nossa prioridade deve ser a visão e a estruturação de um ministério de música Adventista.

Há muitos músicos já focados nisso, ou dando uma boa colaboração para este ministério. A igreja tem uma grande gratidão a eles pelo trabalho que tem feito.E quanto mais nos afinarmos com a vontade de Deus, maiores serão as portas que vão se abrir diante de nós.

Para todos aqueles que já entenderam ou ainda precisam entender o seu papel como ministros, o primeiro salmo, de Davi, apresentado no novo lugar de adoração, faz dois desafios.

O primeiro está em I Crônicas 16:9 (NVI): “Cantem para Ele”. Este desafio não é apenas para os cantores, mas para todos os envolvidos com a música da igreja. Nossa música precisa ser produzida para Deus, e para a Sua glória.

Queridos músicos:

• Permitam que Ele seja o centro de tudo o que vão fazer;
• Desenvolvam um ministério de adoração e salvação;
• Exaltem sempre a Deus, a imagem de Deus e o nome de Deus.
O segundo desafio, uma extensão do primeiro, está em I Crônicas 16:23 (NVI), quando Davi repete: “Cantem ao Senhor”, mas continua dizendo: “proclamem a Sua salvação dia após dia”.

• Usem a arte a serviço da mensagem, e nunca permitam que a arte seja mais forte ou atrativa que a mensagem;
• Usem a linguagem da música, que é tão forte, em sintonia e apoio à mensagem que ela precisa transmitir;
• Toquem, cantem ou produzam aquilo que vai conquistar corações para Jesus;
• Usem a música para cumprir a missão da igreja, e conquistar pessoas para Jesus.

Deus chamou cada músico para ser o Seu porta-voz; Para ocupar um lugar importantíssimo em sua causa; Para utilizar uma de Suas ferramentas mais poderosas; Para ajudar a abreviar a volta de Cristo.

Há um desafio para você que está envolvido com a música Adventista: Transforme seu talento em um chamado, e transforme seu chamado em um ministério. Cante, toque, reja, ensine, produza, sempre para Ele, para proclamar a Sua salvação. Isso é ministério.

Você, músico cristão, que já tem um compromisso com Deus, gostaria de confirmar seu propósito de utilizar a música como um ministério?

Você que ainda não tem desenvolvido essa missão gostaria de aceitar o desafio de dar um novo rumo ao seu envolvimento musical, construindo um ministério de salvação?

Precisamos tornar reais as palavras que tantas vezes cantamos juntos (HA No. 10):
“Louvemos o Rei, Glorioso Senhor. Oh vamos cantar o Seu infindo amor”.
“Falemos de Deus, da graça sem par...”.
“Cantemos do seu cuidado por nós...”.
Deus está esperando o seu compromisso para que possa transformar seu talento em um poderoso Ministério.

Erton Kohler, Presidente da Divisão Sul-Americana da IASD, Brasília, DF

Fonte: Forum de música

terça-feira, 21 de julho de 2009

Por uma vida com mais significado

Ultimamente ando preocupado com o mundo. Não que nunca houvesse me preocupado antes, mas agora estou com uma espécie de “gosto amargo na boca” em relação a tudo o que acontece ao meu redor.

Quando ligo a TV chego a ficar deprimido, só o caos, terror, doença, maldade, corrupção, desastres e uma inversão total e generalizada de valores em tudo que existe.

Detalhe: não é só nos programas da televisão que isso acontece. Como disse, é um gosto amargo por tudo o que acontece ao meu redor. Em meu trabalho, em minha faculdade, minha igreja (sim, na igreja também), em meu convívio com meus amigos, em minha família, nas conversas nos pontos de ônibus e no burburinho das ruas; tudo indica que algo vai mal.

Eu nasci e cresci em uma cidade que possui pouco mais que vinte e sete mil habitantes. Durante um tempo vivi em cidades maiores, uma com trezentos mil, outra com cento e cinqüenta mil e outra com cerca de trinta mil habitantes. Hoje moro em uma cidade com cinco mil habitantes; e percebo que o problema do qual estou falando está em todos os lugares.

Em grande parte da raça humana não existe mais a bondade pura e desinteressada. Como cristão que sou, eu tenho em mente que a Bíblia já advertia, desde muito tempo atrás, que chegaríamos a um momento que em “os tempos seriam difíceis” e que o “amor de muitos se esfriaria”; mas não posso me conformar com isso, a Palavra que seriam MUITOS, mas não TODOS.

Não dá para olhar para a situação em que se encontra o mundo e achar dá para ficar do jeito que está, não dá para ficar sentado esperando algo acontecer, não dá para ficar somente esperando. Como disse, como cristão que sou, tenho minhas atividades e iniciativas dentro das atividades da igreja as quais acredito que podem melhorar esse mundo, mas não dá para achar que só isso já está bom. Será que não dá para fazer mais? Será que não dá para agir um pouquinho mais? Não adianta ficar esperando pelos outros.

Mas o que fazer então? Bom, podemos ser mais ativos em nossas relações. Deixar de esperar pelos outros e agir por si mesmo; deixar de reclamar e começar a se mover em direção a ação; deixar de agir com egoísmo; deixar de procurar levar vantagem em tudo.

Podemos fazer coisas simples. Ao contrário do que a maioria pensa, atitudes simples podem sim causar grandes efeitos; afinal, a maioria que pensa assim, é geralmente a maioria que não age.

Quando comecei a perceber e agir com essa “visão de mundo” parti para a ação com algumas atitudes simples; que vou expor em formas de perguntas para todos pensarem:

Por que não doar todo mês um pouco de alimento para um entidade filantrópica ou que monte cestas básicas para os carentes? Por que não se comprometer a doar mensalmente um valor (ainda que pequeno) a uma entidade de assistência local? Por que não acessar um site (do Graac, por exemplo) e doar uma valor mensalmente (ainda que um valor mínimo) que pode até ser pago pelo cartão de crédito?

Por que não separar o lixo reciclavel e doar para cooperativas? Por que não trocar as lâmpadas por fluorescentes e apagá-las quando não estiver usando? Por que não economizar água nas lavagens de carros e calçadas usando um balde ou mangueiras com reguladores de esguicho? Por que não fechar a torneira quando for escovar os dentes? Por que não adotar uma caneca em seu trabalho, escola, igreja e demais lugares; e diminuir o uso de copos plásticos?

Por que não economizar nos gastos com impressão? Por que não diminuir o volume de nossos aparelhos de som, carros, celulares e outros aparelhos? Por que não desligar nossos celulares nas igrejas, trânsito, cinemas, teatros e afins? Por que não diminuir o volume de nossas vozes? Por que não doar meu livros velhos, ou aqueles que não leio mais para uma biblioteca?

Por que não agir com mais humildade, afinal ninguém é melhor do que ninguém (não importa o que pense, ninguém é melhor que ninguém)? Por que não agir com desinteresse em nossas relações? Por que não deixar de querer levar vantagem em tudo? Por que não falar mais a verdade e menos a mentira? Por que não deixar de julgar os outros? Por que não deixar de ser hipócrita; agindo, falando e pensando da mesma forma em todos os lugares?

Por que não adicionar novas atitudes em nossa vida pública, participando de campanhas em prol do comunidade? Por que não doar sangue? Por que não iniciar uma campanha em minha faculdade, trabalho ou comunidade de coleta de agasalhos, alimentos ou leite? Por que, quando for organizar uma palestra, curso ou algo assim, não incluir no ingresso ou inscrição, um quilo de alimento ou um litro de leite, para serem doados aos necessitados?

Por que não plantar árvores? Por que não deixar de jogar lixo na rua? Por que não deixar de jogar lixo pelas janelas de carros e ônibus? Por que não sorrir? Por que não ouvir? Por que não ser sincero e atencioso? Por que não ser justo? Por que não ser um bom chefe?

Por que não ser um bom empregado? Por que não deixar de tentar impor minha opinião? Por que não ser fiel no pagamento de minhas dívidas? Por que não gastar apenas dentro do que ganho? Por que, para o bem de todos, me submeter? Por que não?

Eu sei que parecem coisas pequenas... mas eu olho para mim mesmo e vejo que quando eu conseguir fazer tudo isso, eu serei uma pessoa melhor, as pessoas ao meu redor serão pessoas melhores e o mundo ao meu redor será um mundo melhor.

Imagine, se em cada canto desse vasto mundo, as pessoas agissem assim... estaríamos em mundo bem melhor... mas afinal.... por que não viver uma vida que seja mais significativa?

Afinal, não basta apenas existir.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Corrente Sanguínea - Uma Corrente do Bem

Todos nós somos elos. Elos que se unem para formar uma corrente chamada vida. Como elos, somos responsáveis por manter esta corrente unida e, para isso, precisamos nos preocupar com os outros elos também.

Alguns elos, por acidente ou doença, vão precisar mais dos outros e os demais elos, conscientes de seu papel nesta corrente, os ajudam. Alguns porque são solidários, outros por egoísmo mesmo: ajudarei hoje para garantir que me ajudarão se eu precisar.

E perguntam alguns elos: mas como posso ajudar? Doando roupas? Doando comida? Sim, doar é a palavra chave! E existe uma doação especial: A Doação de Sangue.

Doar sangue não dói, não nos oferece risco, não vai nos fazer falta. Doar sangue é algo que só vai ajudar. Doe porque você é solidário! Doe porque você é egoísta! Mas doe!

Se não puder doar, espalhe a idéia e convide seus parentes e amigos para entrarem na Corrente Sanguínea e serem também doadores.

Entre com tudo na Corrente Sanguínea!


O que é preciso para doar:

Não estar usando medicamentos;
Pesar acima de 50 quilos;
Ter dormido pelo menos 6 horas na noite anterior;
Não realizar exercícios físicos antes da doação;
Não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 24 horas;
Não ter coloca piercing ou feito tatuagem nos últimos doze meses;
Evitar fumar 2 horas antes da doação;
Alimentar-se bem antes da doação, se for pela manhã, com leite de soja ou desnatado, sucos, frutas, café, chá, pão com geléia de frutas. Não ingerir leite e seus derivados (manteiga, margarina, queijo, iogurte) ou alimentos gordurosos até três horas antes da doação.
Para doação à tarde, alimente-se com carnes grelhadas, saladas, arroz, feijão, não ingerindo alimentos gordurosos (frituras, ovos, massas, maionese, sorvete, chocolate, etc).

Quem não pode doar:
· Portadores de doenças infecto-contagiosas (Sífilis, AIDS, Chagas, malária, hepatite B ou C);
· Parceiros sexuais de pessoas infectadas pelo HIV (AIDS);
· Pessoas com múltiplos(as) parceiros(as) sexuais;
· Pessoas que mantiveram relação sexual sem o uso do preservativo nos últimos 12 meses;
· Usuários de drogas injetáveis;
· Mulheres: grávidas, amamentando ou que tiveram aborto nos últimos 03 meses.

O intervalo mínimo:
O intervalo mínimo entre as doações para mulher é de 90 dias, no máximo 3 vezes ao ano e para o homem é de 60 dias, no máximo 4 vezes ao ano.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Experiências carismáticas na Igreja Adventista do Sétimo Dia; Presente e Futuro

Experiências e Advertências no Passado

Conforme nos aproximamos do final da história da terra e ansiamos pela breve volta de Jesus, há um grande interesse entre o povo de Deus no papel do Espírito Santo. Falando sobre as chuvas temporã e serôdia, os autores da Bíblia nos deram a certeza de que o Espírito Santo estará ativamente envolvido nos eventos finais da história (Oséias 6:3; Zacarias 10:1; Tiago 5:7). Os Adventistas do Sétimo Dia vêem as profecias relativas às chuvas temporã e serôdia como se aplicando à história da igreja cristã, e à experiência do povo de Deus. Historicamente, as profecias que tratam da chuva temporã foram cumpridas pelo poder dado no Pentecoste, o qual impulsionou a igreja apostólica em sua missão mundial, mas uma maior demonstração do poder do Espírito Santo, a chuva serôdia, acompanhará o término da comissão evangélica. O simbolismo profético que descreve o derramamento da chuva serôdia é visto na obra do grande e poderoso anjo de Apocalipse 18.

As profecias que tratam das chuvas temporã e serôdia também são cumpridas na vida individual. Assim como a chuva temporã caía sobre a semente recém plantada no Oriente Médio, levando a semente a brotar e permitindo que a planta crescesse, também o Espírito Santo dirige o pecador arrependido a uma experiência de novo nascimento e a um relacionamento crescente com Jesus. Assim como a chuva serôdia preparava o grão para a colheita, também o derramamento final do poder do Espírito, justamente antes da volta de Jesus completará a obra de redenção nos corações do povo expectante de Deus, e os capacitará a estarem preparados para a transladação.

Muitos Adventistas do Sétimo Dia têm perguntado, As experiências extáticas e as livres demonstrações de emoções são evidência do batismo do Espírito Santo, e estas experiências acompanharão o derramamento da chuva serôdia? Demonstrações anteriores entre os mileritas, as quais incluíam desmaios, gritos e louvores a Deus em alta voz, foram levados, depois de 1844 para a experiência daqueles que estabeleceram a Igreja Adventista do Sétimo Dia, juntamente com pelo menos quatro experiências documentadas de falar em línguas. Será que a ausência destas experiências indica que a igreja tornou-se fria e formal, sem o poder do Espírito, e que devemos buscar reviver as experiências vívidas dos primeiros anos como sendo o poder da chuva serôdia sendo derramado sobre a igreja?

Um documento excelente pode ser encontrado no Ellen G. White Estate, o qual revisa e avalia as experiências que ocorreram entre os primeiros crentes na mensagem Adventista do Sétimo Dia. Este documento, "Charismatic Experiences in Early Seventh-day Adventist History", [Experiências Carismáticas na História Inicial dos Adventistas do Sétimo Dia] consiste de uma série de 12 artigos preparados para a “Review and Herald” em 1972 e 1973 por Arthur L. White, então secretário do Ellen G. White Estate. Não há necessidade de repetirmos aqui os detalhes históricos que Arthur White relata. Um resumo desta série seria útil, contudo, para a compreendermos o conselho que Ellen White dá à igreja enquanto aguardamos o derramamento da chuva serôdia. O leitor interessado nessas experiências carismáticas é encorajado a estudar por si mesmo este documento.

Experiências religiosas extáticas são relatadas nos escritos iniciais tanto de Tiago quanto de Ellen White, com relatos de glossolalia em 1847, 1848, 1849 e 1951 1851 (“Tongues in Early SDA History” [Línguas na História Inicial dos ADS], Review and Herald, 15 de Março de 1973). Arthur White resume seu estudo sobre o falar em línguas em nossa experiência primitiva dizendo: “Não há registro de Ellen White dando explícito apoio, ou expressando endosso a experiências extáticas com línguas desconhecidas, embora fosse testemunha visual de três dentre quatro de tais ocorrências. ... Posteriormente, foi-lhe mostrado que o pensamento e sentimentos de uma pessoa têm grande influência sobre essas experiências.” (“Bible Study Versus Ecstatic Experiences” [Estudo da Bíblia versus Experiências Extáticas], Review and Herald, 22 de Março de 1973).

Arthur White também notou que “É interessante observar que Ellen White, com as muitas e muitas visões que lhe foram dadas através dos anos, e deparando-se com muitas e muitas experiências, sentiu-se incapaz de declarar de forma inequívoca que haveria uma experiência extática, tal como falar em línguas desconhecidas, em conexão com o derramamento do Espírito de Deus. De fato, em tempo algum ela ligou as evidências do derramamento do Espírito – às vezes chamadas de batismo do Espírito Santo – com experiências extáticas” (“The Gift of Tongues at Portland, Maine” [O Dom de Línguas em Portland, Maine], Review and Herald, 5 de Abril de 1973).

Com referência à excitação fanática, a qual incluía falar em línguas, ocorrida entre um grupo de pessoas que estabeleceu o momento da vinda de Jesus para 1854, Ellen White escreveu: “Algumas dessas pessoas têm formas de culto a que chamam dons, e dizem que o Senhor os pôs na igreja. Têm uma algaravia sem sentido a que chamam língua desconhecida, desconhecida não só ao homem, mas ao Senhor e a todo o Céu. Tais dons são manufaturados por homens e mulheres ajudados pelo grande enganador. O fanatismo, a exaltação, o falso falar línguas e os cultos ruidosos, têm sido considerados dons postos na igreja por Deus. ... A influência dessas reuniões, porém, não é benéfica. Ao passar o auge do sentimento, essas pessoas imergem mais fundo que antes da reunião, pois sua satisfação não proveio da devida fonte” (Testemunhos para a Igreja, vol. 1, p. 412).

Já em 1850, foi mostrado a Ellen White a ordem que existia no céu e entre os anjos de Deus. Ela foi advertida então acerca das “experiências” e lhe foi dito estas estavam em “grande perigo de ser adulteradas, ... Portanto, não se podia ter confiança implícita nelas.” Então ela disse, “Vi que deveríamos lutar em todo o tempo para estarmos isentos de excitações prejudiciais e desnecessárias. Vi que há grande perigo em deixar a Palavra de Deus para confiar e apoiar-se em experiências extáticas. Vi que Deus Se movia mediante Seu Espírito sobre vossa assembléia em algumas experiências e excitação deles; vi, porém, perigo à frente” (Manuscrito 11, 1850 – ver Manuscript Releases, vol. 5, pp. 226, 227).

Qual foi o perigo que a profetiza viu lançando sua sombra sobre a senda do povo de Deus? Poderia ser que ela compreendera que Satanás introduziria as experiências extáticas em nossos cultos de adoração com o propósito de desviar as pessoas para longe da Palavra de Deus como sendo o árbitro das experiências religiosas, para os exercícios emocionais como o critério para uma experiência genuína? Uma coisa é clara; conforme a compreensão de Ellen White se aprofundou e Deus revelou a ela os métodos que Satanás usaria para ganhar o controle das igrejas cristãs ao término do grande conflito, suas palavras de cautela tornaram-se mais claras e mais fortes, conforme ela se conduziu a igreja para longe das experiências extáticas e emocionais.

Advertências Relacionadas a Experiências Presentes e Futuras

Os Adventistas do Sétimo Dia sabem há décadas que pouco antes do derramamento do prometido poder da chuva serôdia Satanás faria um movimento tático, na tentativa de diminuir o impacto do poder do Espírito sobre o mundo cristão. Ellen White predisse: “Antes de os juízos finais de Deus caírem sobre a Terra, haverá, entre o povo do Senhor, tal avivamento da primitiva piedade como não fora testemunhado desde os tempos apostólicos. O Espírito e o poder de Deus serão derramados sobre Seus filhos. Naquele tempo muitos se separarão das igrejas em que o amor deste mundo suplantou o amor a Deus e à Sua Palavra. Muitos, tanto pastores como leigos, aceitarão alegremente as grandes verdades que Deus providenciou fossem proclamadas no tempo presente, a fim de preparar um povo para a segunda vinda do Senhor. O inimigo das almas deseja estorvar esta obra; e antes que chegue o tempo para tal movimento, esforçar-se-á para impedi-la, introduzindo uma contrafação. Nas igrejas que puder colocar sob seu poder sedutor, fará parecer que a bênção especial de Deus foi derramada; manifestar-se-á o que será considerado como grande interesse religioso. Multidões exultarão de que Deus esteja operando maravilhosamente por elas, quando a obra é de outro espírito. Sob o disfarce religioso, Satanás procurará estender sua influência sobre o mundo cristão” (O Grande Conflito, p. 464).

No movimento carismático, os Adventistas do Sétimo Dia têm testemunhado pelo menos um cumprimento parcial desta profecia. Os exercícios emocionais envolvidos nos cultos de adoração carismáticos são vistos como a obra do Espírito Santo e a evidência da presença e da bênção de Deus. Cristão que são apanhados nestas experiências extáticas aceitam os sentimentos de felicidade e os picos emocionais gerados nas reuniões carismáticas como o critério para a verdade espiritual. Se os ensinamentos bíblicos não são diretamente associados com a experiência carismática e os ensinamentos daqueles que dirigem os cultos carismáticos, estes ensinamentos bíblicos são questionados como sendo a representação da verdade e são rejeitados de imediato por muitos.

Isto levanta a questão que deve ser enfrentada pelos Adventistas do Sétimo Dia hoje: É possível a mesma coisa acontecer dentro de nossa igreja? Com base em nossa história passada, Ellen White não apenas acredita que é possível, mas afirma enfaticamente que Satanás introduzirá uma falsificação da experiência da chuva serôdia em uma tentativa de evitar a sua vinda ou fomentar a falha em reconhecê-la e recebê-la quando vier. O seguinte conselho guardará o povo de Deus de aceitar uma experiência “carismática” em lugar da experiência genuína a qual existirá sob a chuva serôdia.

Entusiasmo Saudável:

Nosso culto de adoração não deve ser frio e sem vida. Ellen White diz que existe um entusiasmo saudável, mas o que é um entusiasmo saudável? “Unicamente o Espírito de Deus pode criar um entusiasmo são. Deixai que Deus opere, e ande o instrumento humano silenciosamente diante dEle, vigiando, esperando, orando, olhando a Jesus a todo momento, conduzido e controlado pelo precioso Espírito que é luz e vida” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, pp. 16, 17). Um entusiasmo saudável é uma alegria santa que resulta de contemplarmos a obra de Deus. Esta alegria é expressa em louvor e adoração conforme o ser humano caminha mansa e reverentemente na presença do grande Criador e Redentor.

Experiência Espiritual a ser Edificada na Palavra:

Devemos estar em guarda, que nossa experiência espiritual esteja fundamentada na Palavra de Deus, e não em experiência extáticas. Fortes alertas são dados àqueles que buscam um pico emocional através de uma “experiência espiritual”. A Palavra de Deus deve ser o sólido fundamento sobre o qual construímos a nossa experiência. Qualquer outra coisa, eventualmente provará ser um fundamento na areia. Note a ênfase colocada sobre a Palavra como base para nossas vidas espirituais.

“O Senhor deseja que Seus servos hoje preguem a antiga doutrina evangélica - tristeza pelo pecado, arrependimento e confissão. Precisamos sermões à moda antiga, costumes à antiga, pais e mães em Israel à antiga. É preciso trabalhar pelo pecador perseverantemente, zelosa e sabiamente, até que ele veja que é transgressor da lei de Deus, e exerça arrependimento para com Deus, e fé no Senhor Jesus Cristo” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 19).

“É por meio da Palavra - não de sentimentos ou de exaltação - que precisamos influenciar as pessoas a obedecer à verdade. Podemos permanecer em segurança sobre a plataforma da Palavra de Deus” (Mensagens Escolhidas, vol. 3, p. 375).

“[Os cristãos nominais] ufanam-se de estar em conformidade com a vontade de Deus porque se sentem felizes; mas, quando são provados, quando a Palavra de Deus é aplicada a sua experiência, tapam os ouvidos para não ouvir a verdade, dizendo: ‘Estou santificado’, e isso põe fim à controvérsia. Não querem ter nada que ver com examinar as Escrituras para saber o que é a verdade, e demonstram estar terrivelmente iludidos. Santificação significa muito mais do que enlevo de sentimento.

Exaltação ou entusiasmo não é santificação. Inteira conformidade com a vontade de nosso Pai que está no Céu unicamente é santificação, e a vontade de Deus é expressa em Sua santa lei. A observância de todos os mandamentos de Deus é santificação. Demonstrar ser filhos obedientes à Palavra de Deus é santificação. A Palavra de Deus deve ser nosso guia, não as opiniões ou idéias de homens” (Mensagens Escolhidas, vol. 3, p. 204).

O Espírito Santo Não Está Presente em Balbúrdia e Ruído:

A declaração seguinte não é útil apenas pela advertência que dá, mas é instrutiva sobre o que podemos esperar pouco antes do término da graça: “As coisas que descrevestes como ocorrendo em Indiana, o Senhor revelou-me que haviam de ocorrer imediatamente antes da terminação da graça. Demonstrar-se-á tudo quanto é estranho. Haverá gritos com tambores, música e dança. Os sentidos dos seres racionais ficarão tão confundidos que não se pode confiar neles quanto a decisões retas. E isto será chamado operação do Espírito Santo.

O Espírito Santo nunca Se revela por tais métodos, em tal balbúrdia de ruído. Isso é uma invenção de Satanás para encobrir seus engenhosos métodos para anular o efeito da pura, sincera, elevadora, enobrecedora e santificante verdade para este tempo” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 36).

Ellen White estava se referindo aos erros fanáticos do movimento carne santa, que varreu as fileiras dos Adventistas que moravam em Indiana durante o início da década de 1900. Os cultos de adoração eram marcados por todos os tipos de demonstrações emocionais acompanhados por música alta e ritmada com todos os tipos de instrumentos. Estas demonstrações eram chamadas de obra do Espírito Santo.

Vez após vez a igreja recebeu palavras de advertência contra o fanatismo que se revelava em demonstrações emocionais durante a adoração. Por exemplo, em 1909 Ellen White escreveu: “A genuína religião não requer grandes demonstrações corporais. ... Estas não são indício da presença do Espírito de Deus” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 26). Em 1908 ela relembrou a experiência passada dos crentes Adventistas e disse: “Durante aqueles dias probantes alguns de nossos mais preciosos crentes foram levados ao fanatismo. Eu disse posteriormente que antes do fim veríamos manifestações estranhas da parte daqueles que professavam ser guiados pelo Espírito Santo. Pessoas há que tratam como alguma coisa de grande importância essas manifestações peculiares, que não são de Deus, mas são calculadas a desviar a mente de muitos dos ensinos da Palavra” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 41).

E novamente: “Não se poderia causar maior dano à obra de Deus neste tempo do que permitirmos um espírito de fanatismo penetrar em nossas igrejas, acompanhado de estranhas manifestações, incorretamente tidas como operação do Espírito de Deus” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 42). “Terríveis ondas de fanatismo hão de sobrevir. Deus, porém, livrará Seu povo que busque diligentemente o Senhor, e se consagre a Seu serviço” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 47).

Música Seria um Laço:

Assim como foi no movimento carne santa, a música será novamente usada por Satanás para tentar levar o povo de Deus a experiências que obscurecerão as verdadeiras obras do Espírito Santo. “Essas coisas que aconteceram no passado hão de ocorrer no futuro. Satanás fará da música um laço pela maneira por que é dirigida” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 38).

Um aumento nos decibéis não indica a presença do Espírito, nem leva à verdadeira adoração. Ellen White selecionou algumas palavras para uma pessoa que pensava que “forte” era santo: “Qualquer excentricidade ou traço de caráter esquisito chama a atenção das pessoas e destrói a séria e solene impressão que deve ser o resultado da música sacra. Qualquer coisa estranha e excêntrica no canto diminui a seriedade e o caráter sagrado do culto.

A movimentação física no cantar é de pouco proveito. Tudo que de algum modo está ligado com o culto religioso deve ser elevado, solene e impressivo. Deus não Se agrada quando pastores que professam ser representantes de Cristo, O representam mal quando movimentam o corpo em certas atitudes, fazendo gestos indignos e rudes. Tudo isso diverte, e estimula a curiosidade daqueles que desejam ver coisas estranhas, grotescas e curiosas, mas essas coisas não elevarão a mente e o coração daqueles que as presenciam.

Pode-se dizer a mesma coisa sobre o canto. Você assume atitudes indignas. Usa todo o poder e volume de voz que lhe é possível. Abafa a melodia e as notas mais musicais de outros cantores. Essa movimentação física e a voz áspera e estridente não trazem nenhuma melodia para aqueles que a ouvem na Terra e também no Céu. Essa maneira de cantar é defeituosa, e não é aceitável a Deus como acordes musicais perfeitos, suaves e melodiosos. Entre os anjos não há tais exibições musicais como as que tenho visto algumas vezes em nossas reuniões. Notas ásperas e gesticulações exageradas não são exibidas entre os componentes do coro angelical. O cântico deles não irrita os ouvidos. É macio e melodioso, e ocorre sem esse grande esforço que tenho testemunhado. Não é algo forçado que requer muito esforço físico” (Mensagens Escolhidas, vol. 3, p. 333).

A Presença do Espírito é Calma:

Como sabemos quando o Espírito de Deus está na nossa presença e abençoando nossos cultos de adoração? Ellen White diz: “Não demos lugar a essas estranhas tensões mentais, que afastam na verdade a mente das profundas atuações do Espírito Santo. A obra de Deus sempre se caracteriza pela calma e a dignidade” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 42).

“Precisamos ir ao povo com a sólida Palavra de Deus; e quando eles receberem essa Palavra o Espírito Santo poderá vir, mas Ele vem sempre, como declarei antes, por uma maneira que se recomenda ao discernimento das pessoas. Em nosso falar, nosso canto, e em todos os nossos cultos espirituais, devemos revelar a calma e a dignidade e o piedoso temor que atua em todo verdadeiro filho de Deus” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 43).

“Nos tratos de Deus com seu povo, tudo é tranqüilo; da parte dos que nEle confiam, tudo é calmo e despretensioso” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 97).

A compreensão de Ellen White acerca da obra do Espírito Santo entre o povo de Deus quando este se congrega pode ser melhor resumida pela seguinte declaração: “As mais proveitosas reuniões para o bem espiritual, são as que se caracterizam pela solenidade e o profundo exame do coração, cada um procurando conhecer-se a si mesmo e, com sinceridade e profunda humildade, buscando aprender de Cristo” (Testemunhos Para a Igreja, vol. 1, p. 412).

Fonte - White State (Destaques nossos)

[Tradução - Levi Tavares]

Nota DDP: Apenas alguns apontamentos, absolutamente claros no texto:

1) - Já ouveram manifestações extáticas na IASD;
2) - Haverá um último engano neste tema, que é de conhecimento dos adventistas;
3) - Há um cumprimento parcial desta profecia no mundo carismático;
4) - Há possibilidade disso ocorrer na IASD? Segundo o artigo e com base em EGW, sim;
5) - Como isso se dará? Através do incentivo a um culto emocional;
6) - Como se proteger? Através da obediência irrestrita aos conselhos de Deus;
7) - Compontente importante deste quadro? Música.

Fonte: Diário da Profecia
(http://diariodaprofecia.blogspot.com/2009/07/experiencias-carismaticas-na-igreja.html)

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Breve Virá (Prefixo 2008) (Arautos do Rei)

Volta (Vencedor a Cada Dia)

Preparação Para a Crise Final

Enganos Satânicos nos Últimos Dias

“Aproximamo-nos do fim da história terrestre, e Satanás está trabalhando como nunca antes. Ele está procurando atuar como dirigente do mundo cristão. Com uma intensidade que é incrível, está agindo com os seus enganosos prodígios.”

“Deseja envolver o mundo inteiro em sua confederação. Ocultando sua perversidade sob o disfarce do cristianismo, Ele assume os atributos de um cristão e alega ser o próprio Cristo.” (pág. 135)

“Vi que Deus tem filhos honestos entre os adventistas nominais e as igrejas caídas, e antes que as pragas sejam derramadas, ministros e povo serão chamados a sair dessas igrejas e alegremente receberão a verdade. Satanás sabe disto, e antes que o alto clamor da terceira mensagem angélica seja ouvido, ele suscitará um despertamento nessas corporações religiosas, a fim de que os que rejeitaram a verdade pensem que Deus está com eles.”(pág. 137)

“Antes de os juízos finais de Deus caírem sobre a Terra, haverá, entre o povo do Senhor, tal avivamento da primitiva piedade como não fora testemunhado desde os tempos apostólicos. ... O inimigo das almas deseja estorvar esta obra; e antes que chegue o tempo para tal movimento, esforçar-se-á para impedi-la, introduzindo uma contrafação. Nas igrejas que puder colocar sob seu poder sedutor, fará parecer que a bênção especial de Deus foi derramada; manifestar-se-á o que será considerado como grande interesse religioso. ...” (pág. 137)

“Satanás fará da música um laço pela maneira por que é dirigida.” (pág. 138)

“Se Satanás vê que Deus está abençoando Seu povo e preparando-os para discernir-lhe os enganos, trabalha com sua magistral capacidade para introduzir fanatismo de um lado e frio formalismo de outro, para que ele possa ceifar uma colheita de almas.” (pág. 151)

A Sacudidura

“Perguntei qual o sentido da sacudidura que eu acabava de presenciar e foi-me mostrado que fora causada pelo positivo testemunho motivado pelo conselho da Testemunha fiel, aos laodiceanos. Esse testemunho terá o seu efeito sobre o coração do que o recebe, levando-a a exaltar a norma e declarar a positiva verdade. Alguns não suportarão esse claro testemunho. Opor-se-lhe-ão e isto causará uma sacudidura entre os filhos de Deus.” (pág. 151 e 152)

“É uma solene declaração que faço à igreja, de que nem um entre vinte dos nomes que se acham registrados nos livros da igreja, está preparado para finalizar sua história terrestre, e achar-se-ia tão verdadeiramente sem Deus e sem esperança no mundo, como o pecador comum.”

“Introduzir-se-ão divisões na igreja. Desenvolver-se-ão dois partidos. O trigo e o joio crescerão juntos para a ceifa.” (pág. 149)

“Uma coisa é certa: Os adventistas do sétimo dia que se colocam sob o estandarte de Satanás abandonarão primeiro sua fé nas advertências e repreensões contidas nos Testemunhos do Espírito de Deus. ...Isto é exatamente como Satanás tencionava que fosse, e os que têm preparado o caminho para o povo não dar atenção às advertências e repreensões dos Testemunhos do Espírito de Deus verão surgir uma torrente de erros de toda a espécie. ...O plano de Satanás é enfraquecer a fé do povo de Deus nos Testemunhos.” (pág. 153 e 154)

“O peneiramento de Deus sacode fora multidões, como folhas secas. A palha, como nuvem, será levada pelo vento, mesmo de lugares onde só vemos ricos campos de trigo.” (pág. 155)

“A igreja talvez pareça como prestes a cair, mas não cairá.”(pág. 156)

A Chuva Serôdia

“Devemos ser completamente transformados à semelhança de Cristo. Se a chuva temporã não fizer seu trabalho, a serôdia não desenvolverá a semente até a perfeição.” (pág. 158 e 159)

“O Espírito Santo procura habitar em cada alma. Caso seja Ele bem-vindo como hóspede honrado, os que O receberem se tornarão completos em Cristo.” (pág. 161)

“Devemos orar tão fervorosamente pela descida do Espírito Santo como os discípulos oraram no dia de Pentecostes. Se eles precisaram disso naquele tempo, nós, hoje, mais ainda.” (pág. 161)

“Digo-vos que deve haver entre nós um reavivamento completo. Tem de haver um ministério convertido. Precisa haver confissões, arrependimento e conversões.” (pág. 163)

“Vi que ninguém poderia participar do "refrigério" a menos que obtivesse a vitória sobre toda tentação, orgulho, egoísmo, amor ao mundo, e sobre toda má palavra e ação. Deveríamos, portanto, estar-nos aproximando mais e mais do Senhor, e achar-nos fervorosamente à procura daquela preparação necessária para nos habilitar a estar em pé na batalha do dia do Senhor. Cumpre-nos remediar os defeitos de caráter, purificar de toda a contaminação o templo da alma. ” (pág. 166)

“Foi-me mostrado que, se o povo de Deus não fizer esforços, de sua parte, mas esperar apenas que sobre eles venha o refrigério, para deles remover os defeitos e corrigir os erros; se nisso confiarem para serem purificados da imundícia da carne e do espírito, e preparados para tomar parte no alto clamor do terceiro anjo, serão achados em falta.” (pág. 168)

O Alto Clamor


“A última mensagem de graça a ser dada ao mundo, é uma revelação do caráter do amor divino. Os filhos de Deus devem manifestar Sua glória. Revelarão em sua vida e caráter o que a graça de Deus por eles tem feito.” (pág. 173)

“Em breve haverá um avivamento que surpreenderá a muitos. Os que não percebem a necessidade do que deve ser feito serão passados por alto, e os mensageiros celestiais trabalharão com os que são chamados de pessoas comuns, habilitando-as a levar a verdade para muitos lugares.” (pág. 176)

“Nas igrejas [adventistas do sétimo dia] deverá haver admirável manifestação do poder de Deus, mas ela não influirá sobre os que não se têm humilhado diante do Senhor, abrindo a porta do coração pela confissão e arrependimento.” (pág. 180)

Nota Literalmente Verdade: Todos os textos são copilações do livro Eventos Finais, do qual destinei a marcar alguns dos principais de cada capitulo abordado. ...

Fonte: Literalmente Verdade
(http://literalmenteverdade.blogspot.com/2009/07/preparacao-para-crise-final.html)

domingo, 5 de julho de 2009

Ordenação de Mulheres ao Ministério

Autor: Prof. Gilson Medeiros

Hoje em dia é comum aparecerem nos programas de TV e Rádio, mulheres que se apresentam com títulos ministeriais: Pastoras, Bispas, Reverendas, etc.

Algumas igrejas costumam denominar a esposa do pastor como "pastora" também. Uma grande igreja evangélica brasileira, recentemente envolvida em problemas judiciais, é lideranda por um "apóstolo", cuja esposa é chamada de "bispa".

Recentemente recebi um e-mail questionando sobre a posição Adventista para a ordenação de mulheres ao ministério pastoral. Por que, ainda, a Igreja Adventista do 7º Dia não tem "pastoras", devidamente credenciadas a exercerem a função que, atualmente, só é reservada a homens? Será machismo? Preconceito? Mera ortodoxia? Conservadorismo?

Sei que o tema é polêmico, e vou "mexer no vespeiro"...rsrs

As mulheres exercem um papel importantíssimo na Obra de Deus, e conseguem desempenhar tarefas e atividades que são peculiares à sua natureza feminina. O Ministério da Mulher veio como uma fantástica ferramenta de mobilização do contingente feminino que a Igreja dispõe, levando-as a uma maior participação no trabalho missionário e nas demais atividades eclesiásticas.

Como consequência desta crescente participação da mulher no dia-a-dia da Igreja, este tema da ordenação de mulheres ao ministério tem sido continuamente debatido entre os Adventistas.

Pessoalmente, creio que o Senhor não deseja que as mulheres sejam ordenadas como "pastoras", pelo menos não "ainda". Creio nisso pelos seguintes motivos:

1. O clamor pela ordenação de mulheres surgiu, ao meu ver, mais como uma reivindicação do movimento feminista americano, do que como um estudo teológico da função ministerial no Novo Testamento. Como um anseio por "mais espaço", a liderança feminina da Igreja nos Estados Unidos começou a questionar sua participação também nas fileiras ministeriais. Lá, é possível uma mulher ser ordenada como "Anciã", porém a ordenação ao ministério não tem valor para a Igreja a nível Mundial.

2. Este tema já foi levado à votação por 2 vezes em uma Conferência Geral, e em ambos os casos ele foi rejeitado. Para mim, este é um claro demonstrativo de como Deus vê a questão da ordenação feminina. Creio no que Ellen White escreveu sobre esta reunião representativa dos "delegados" da Igrejas e, se Deus não permitiu que este tema fosse aprovado pela Igreja Mundial, creio que é porque Ele não deseja que isto aconteça agora.

"Mas isso não equivale a dizer que as decisões de uma Associação Geral composta de uma assembléia de homens representativos e devidamente designados, de todas as partes do campo, não deva ser respeitada. Deus ordenou que os representantes de Sua igreja de todas as partes da Terra, quando reunidos numa Associação Geral, devam ter autoridade. O erro que alguns estão em perigo de cometer, é dar à opinião e ao juízo de um homem, ou de um pequeno grupo de homens, a plena medida de autoridade e influência de que Deus revestiu Sua igreja, no juízo e voz da Associação Geral reunida para fazer planos para a prosperidade e progresso de Sua obra" (Ellen White, A Igreja Remanescente, pág. 67).

Portanto, se o tema não foi aprovado pelos delegados reunidos na Assembléia Geral é uma razão muito forte para não ficarmos perdendo tempo com os "porquês" da questão.

3. Há registros históricos de que a própria Ellen White rejeitou ser chamada de "ministra ordenada", e chegou mesmo a receber uma "credencial" com este título, mas pediu para que isto fosse retirado do documento. Ou seja, ela não via que a mulher devesse exercer este papel que, no Novo Testamento, é exclusivo dos homens. Por algum motivo, Deus quis que fosse assim.

Acredito que talvez chegue o momento em que as mulheres devam ser ordenadas ao ministério, com todos os deveres e responsabilides que os homens mantêm. Mas acredito que esta hora ainda não chegou.

Como mencionei no início, este é um tema que sempre gera muita polêmica. Um dos estudiosos Adventistas que mais escreveram sobre este assunto foi o Dr. Samuel Pipim. Os que gostam de Inglês podem encontrar um bom material dele sobre as razões teológicas para rejeitarmos a ordenação feminina (clique aqui).

Sei que vão me chamar de "machista" (rsrs), mas minha posição não tem nada que ver com isso. Apenas creio que, em alguns temas, o Senhor definiu distinções claras sobre a participação de homens e mulheres. Mas estou sempre aberto a mudar de opinião, em face de algo concreto.

Fonte: Blog do Prof. Gilson Medeiros
(http://prgilsonmedeiros.blogspot.com/2009/07/ordenacao-de-mulheres-ao-ministerio.html)

A temperatura preferida de Deus

"E ao anjo da Igreja que está em Laodiceia, escreve: assim diz a Testemunha Fiel e Verdadeira, o Princípio da criação de Deus: Eu sei as tuas obras, que nem és frio nem és quente; oxalá foras frio ou quente! Assim, porque és morno e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.” Apocalipse 3:14-16

Este trecho é retirado da mensagem profética à igreja de Laodiceia, contida nos últimos versos de Apocalipse 3, que é dirigida especificamente ao povo que habita a Terra no tempo imediatamente antes da Segunda Vinda de Jesus.

A Palavra infalível começa por afirmar que Deus sabe quais são as obras da Igreja de Laodiceia. Ele conhece exactamente tudo aquilo que cada um de seus membros é e faz. Pormenor algum escapa ao Seu conhecimento (ver Mateus 10:29, 30). Em Isaías 29:15 confirmamos que ninguém se pode pretender ou julgar longe do alcance de Deus: ‘ai dos que querem esconder profundamente o seu propósito do Senhor, e fazem as suas obras às escuras, e dizem: Quem nos vê? E quem nos conhece?’.

Que avaliação faz Deus dessas obras que esta igreja revela? Que comportamentos e atitudes identifica Ele na sua vida?

Um primeiro ponto fica claro: se Ele conhece essas obras, é porque elas existem; logo, o problema não é a quantidade. O que pode acontecer, é existir algo de errado com essas obras, e Deus ter decidido intervir para advertir e recomendar a Igreja.

As obras às quais Deus Se refere, não são as obras ditas visíveis, palpáveis que esta igreja faz; contextualizando ao mundo actual, e à nossa realidade como Adventistas, Ele não Se refere às escolas, aos hospitais, aos lares para idosos, às editoras e hospitais que temos nem ainda aos desamparados e desabrigados que socorremos. Deus fala aqui das obras espirituais, dos nossos comportamentos e acções, das nossas motivações propósitos e sinceridade de coração.

E, logo nos aponta o problema: as nossas obras não são quentes nem frias – são mornas! Então, surge como lógica a pergunta: o que significam, o que quer Ele dizer com obras quentes, frias e mornas?

Estes três níveis de temperatura são símbolos do comportamento humano – comportamento espiritual. Paralelamente, o Novo Testamento descreve o comportamento espiritual (também) em três categorias:

a) obras da carne;
b) obras da fé;
c) obras da lei.

Será que, logicamente, a cada tipo destas obras corresponde cada tipo de temperatura (quente, frio e morno) denunciado em Apocalipse 3:15?
Em Romanos 7:14 é-nos mostrada a condição humana: “… mas eu sou carnal vendido sobre o pecado.” Paulo quer dizer ‘os meus comportamento são carnais, dependentes da minha condição de pecador’.

Ao longo do Novo Testamento, vemos um paralelismo claro entre carne e pecado. Logo, as obras da carne são o pecado que cometemos. Gálatas 5:19-21 descreve pormenorizadamente algumas dessas obras: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, invejas, bebedices, homicídios, etc..

Se quisermos resumir todos estes comportamentos numa só palavra, poderíamos dizer que estas obras são o pecado, ou seja, o desvio da vontade e propósito original de Deus. Romanos 8:7-8 diz claramente que “…a inclinação da carne é inimizade contra Deus (…) os que estão na carne não podem agradar a Deus”.

Ou seja, as obras que provêem da carne (do pecado, da natureza caída) não podem ser nem produzir alguma coisa boa. Mateus 24:12 vai ainda mais longe ao apontar uma consequência deste comportamento: “e por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará”.
A conclusão é óbvia: o aumento (ou simples permanecer, pactuar com o pecado) conduzirá a um progressivo arrefecimento da condição espiritual.

No Médio Oriente dos tempos bíblicos, a parte clara do dia era conotada com o calor e a parte escura, a noite, as trevas, com o frio. Por isso lemos em Efésios 5:11 “e não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as.” As trevas, ou escuridão, representam o lugar onde as obras e tudo o que lá há é frio. Assim, Deus não poderá dar outra ordem que não seja o nosso afastamento das obras de procedem da carne, essas que têm a sua origem no próprio eu.

Como tal, as obras frias são as obras da carne, resultantes do pecado. O que serão, então, as obras quentes?

Em Gálatas 5:16-17 lemos: “andai no Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne. A carne luta contra o Espírito e o Espírito luta contra a carne.” As obras motivadas pelo Espírito encontram-se em total oposição às obras do pecado.

E como podemos saber que estamos trilhando e executando as obras do Espírito? João 14:12 dá a resposta: “aquele que crê em Mim, fará as obras que Eu faço.” O crer, ter fé, andar pela fé (isto é, fazer as obras da fé), acontece quando o Espírito de Deus habita e toma conta do ser. Não mais as obras serão dos homens, mas serão as obras de Deus realizadas nos Seus discípulos pelo Seu Espírito Santo. Logo, são obras do Espírito e não da carne, como as anteriores: “vós, porém, não estais na carne, se é o Espírito de Deus que habita em vós” (Romanos 8:9-10).

É sempre Deus quem dirige as obras da fé; por isso elas são quentes. A morte das obras frias da carne acontece quando vida é caracterizada pelas obras quentes do Espírito de Deus. É Ele quem produz essas obras – a nossa actuação passa a ser o resultado da presença de Deus. As obras dirigidas pela fé são o resultado do trabalho de Deus na vida daquele que Lhe entrega a sua vontade, daquele que decide submeter o controlo da sua vida ao poder divino.

Esta é a forma visível, palpável de Deus habitar em cada um. O apóstolo Paulo elogia os tessalonicenses pela ‘obra da vossa fé’ (I Tessalonicenses 1:3) – uma fé que leva à acção.

Resumindo: obras da carne (do homem, do pecado) são obras frias; obras da fé (efectuadas por Deus em nós) são obras quentes.

Finalmente, o que serão as obras mornas, as que Deus repreende fortemente?

Por exclusão de partes, as obras mornas são as obras da lei. Gálatas 3:10-11 diz “todos aqueles que são das obras da lei, estão debaixo de maldição. E é evidente que pela lei, ninguém será justificado.”

A justiça que vem das obras da lei é uma justiça própria, baseada no próprio eu. As obras da lei são a auto-justificação, um raciocínio que conclui (erradamente): cumpro, logo sou apto. São os nossos esforços legalistas, o simples cumprir da lei, dos preceitos e ordens com o objectivo de obter salvação.

As acções exteriores até podem parecer iguais às acções quentes. Mas aquilo que é visível não é necessariamente o pleno reflexo do que vai dentro do coração, nas intenções e motivações, na verdadeira e profunda decisão, pois verdadeiramente é o eu que dirige os passos. Mas, por serem uma mistura de motivações erradas com fins correctos, elas são mornas. É a carne fazendo o trabalho que é correcto, necessário, fundamental, mas que cabe ao Espírito fazer.

Qual é o problema da mornidão? É a justiça própria, aquele sentimento que leva a pensar que a intervenção de Deus não é necessária.

Vejamos como este factor se aplica à Igreja de Laodiceia (que era uma cidade termal, por isso própria para aferir a diferença entre quente, frio e morno). Durante o período em que Nero foi imperador romano, esta cidade sofreu um forte terramoto. Esta catástrofe natural era algo frequente naquela zona, mas a do ano 60 d.C. destruiu a cidade por completo. Roma ofereceu dinheiro para a reconstrução mas os habitantes de Laodiceia recusaram, por serem muito ricos e terem meios para resolverem o problema sem ajuda externa. Eles diziam: ‘nós temos muito dinheiro’.

Por outro lado, pela cidade passava uma das principais vias daquele tempo, de tal forma que se tornou um ponto de convergência das mais diversas rotas de comércio. Por comprarem os melhores tecidos que havia, ali trazidos pelos mercadores, os laodiceanos tornaram-se grandes artífices de vestuário, de tal forma que todos se vestiam sumptuosamente. Eles diziam: ‘nós temos as melhores roupas’.

Finalmente, havia ali algum avanço na medicina. De acordo com o historiador grego Strabo, havia em Laodiceia uma escola médica, na qual leccionava um famoso oftalmologista. Perto dali ficava a Prígia, onde um poderoso ingrediente para loções oculares, o chamado pó da Prígia, também referido em obras de outros autores gregos como Aristóteles (filósofo) e Galeno (médico), era largamente estudado e utilizado. Portanto, Laodiceia tornou-se famosa pelo uso desse unguento para os olhos, que era um tratamento muito avançado para a época. Eles diziam: ‘nós vemos muito bem’.

Repare-se agora no contraste: enquanto o povo diz ‘nós temos muito dinheiro’, ‘nós temos as melhores roupas’ e ‘nós vemos muito bem’, Jesus aponta-lhe o dedo e diz: ‘aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.’

Que enorme diferença entre aquela que pensamos ser a nossa condição, e aquilo que Jesus nos diz que precisamos: ‘sem Mim nada podeis fazer’ (João 15:5)!

Ellen G. White adverte no livro ‘Aos Pés de Cristo’, pág. 44: “Há os que professam servir a Deus, ao mesmo tempo que confiam em seus próprios esforços para obedecer à Lei de Deus, formar um carácter recto e alcançar a salvação. Seu coração não é movido por uma intuição profunda do amor de Cristo, mas procuram cumprir os deveres da vida cristã como uma exigência de Deus a fim de alcançarem o Céu. Semelhante religião, nada vale.”

Por mais incrível que nos possa parecer, a Testemunha Verdadeira, Jesus, diz que uma vez que estando presos nas obras mornas da justiça própria, seria preferível que fossemos dirigidos pelas obras da carne!

Se fazemos obras quentes, estamos no caminho de Deus – ÓPTIMO! Romanos 2:20 saúda aquele que se entrega ao Senhor sem reservas: “vivo não mais eu mas Cristo vive em mim.”

Se fazemos as obras frias, estamos em pecado – ÓPTIMO, Deus pode entrar em acção para nos salvar! Se em Romanos 7:24 somos justamente condenados na expressão “miserável homem que eu sou, quem me livrará do corpo desta morte?”, em Romanos 5:20 temos a solução para o nosso problema: “onde abundou o pecado, superabundou a graça de Deus.”

No entanto, se fazemos as obras mornas, pensando que estamos muito bem – PÉSSIMO, Deus não pode fazer seja o que for! Não há uma decisão de arrependimento, não há uma vontade de mudança de rumo, não há um desejo de alterar o comportamento, não há uma entrega ao Senhor; por isso enganosamente dizemos ‘de nada tenho falta” (Apocalipse 3:17)! Então, a trágica consequência é gravemente proferida por Jesus: ’vomitar-te-ei da Minha boca’ (Apocalipse 3:16), em paralelo total com aqueles a quem Jesus dirige as palavras ‘nunca vos conheci; apartai-vos de Mim, vós que praticais a iniquidade’ (Mateus 7:23) – sim, esses mesmos que em nome de Jesus dizem ter praticado todas as suas obras…

Quando Jesus refere (3:20) ‘eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a Minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo’, está a estender o convite a deixarmos o frio ou a mornidão que caracteriza a nossa vida, e nos deixemos aquecer pelo poder que Ele nos oferece! Ele quer remover a nossa inclinação para o que é frio e morno, sem valor espiritual, sem conteúdo bom e verdadeiro!

João 10:27 explica quem são aqueles que ouvem a voz de Jesus: ‘as minhas ovelhas ouvem a minha voz e Eu conheço-as, e elas me seguem’.

‘Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais os vossos corações’ (Hebreus 3:15). O coração duro é aquele que é morno, que não ouve a voz de Jesus. Por essa razão teve Ele de se voltar para a Sua cidade amada e chorar (ver Lucas 19:41)…

Hoje mesmo está na mão de cada um limpar as lágrimas do rosto de Jesus! Hoje mesmo é o tempo de perder a mornidão que nos atinge e cega a mente! Hoje mesmo é o tempo de nos voltarmos para o Senhor com um coração humilde e sincero em busca de Seu perdão, de ouvir a Sua voz e deixá-Lo entrar para cear em nossa casa!

Fonte: O Tempo Final
(http://otempofinal.blogspot.com/2009/07/temperatura-preferida-de-deus.html)

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Dia Mundial da Alegria!

Por que o sábado é um dia de alegria?

Você conhece muito bem a agitação e correria em que vivemos. Será que essa vida estressante faz sentido? Se até as máquinas precisam de pausas e repouso, não seria razoável termos um descanso?

A idéia de separar um dia especial por semana para renovar todas as nossas energias vem do Ser genial que nos criou. No primeiro livro da Bíblia, lemos: “Assim terminou a criação do céu, e da terra, e de tudo o que há neles. No sétimo dia Deus acabou de fazer todas as coisas e descansou de todo o trabalho que havia feito. Então abençoou o sétimo dia e o separou como um dia sagrado, pois nesse dia acabou de fazer todas as coisas e descansou” (Gênesis 2:1-3).

Com o sábado foi encerrada a criação de nosso planeta. Por isso, Deus tornou o dia de sábado distinto dos demais. É o tempo especial para ser fazer uma pausa e celebrar o Criador, a vida e a liberdade. Jesus estabeleceu o sábado para que nesse dia o ser humano entrasse na mais íntima comunhão com Ele e crescesse no conhecimento de Seu amor. Assim, o sábado foi feito para nossa felicidade. Jesus afirmou que “o sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado” (Marcos 2:27).

Com o passar do tempo, a humanidade se esqueceu que o único e verdadeiro dia de descanso é o sábado. Por esse motivo, Deus começou o quarto mandamento de sua Lei com a expressão: “Lembra-te do dia de sábado para o santificar” (Êxodo 20:8).

Existem muitas promessas bíblicas poderosas para aqueles que se lembram que há um dia determinado para o descanso das rotinas e lutas da vida. Deus diz: “Guardem o sábado, descansando em vez de trabalhar; não cuidem dos seus negócios, nem fiquem conversando à toa. Se me obedecerem, eu serei uma fonte de alegria para vocês e farei com que vençam todas as dificuldades; e vocês serão felizes...” (Isaías 58:13-14). Percebe, o sábado é o dia mundial da alegria.

Pode ser que você tenha escutado alguém dizer que o sábado foi recomendado apenas para as pessoas no Antigo Testamento e que Jesus mudou essa exigência. Mas, quando lemos suas declarações, percebemos justamente o contrário. “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas, não vim para destruí-los, mas para cumpri-los” (Mateus 5:17). Jesus insistiu no respeito de todos os mandamentos quando afirmou que “se vocês me amam, obedeçam aos meus mandamentos” (João 14:15).

Você pode até ter ouvido argumentos de que o mandamento do sábado foi mudado para o domingo após a ressurreição de Jesus. Tais declarações não existem na Bíblia. Ao contrário, o dia de descanso para os apóstolos era o sábado, dia que dedicavam para falar sobre as coisas de Deus (ver, por exemplo, Atos 13:42, 44; 16:13; 17:2; 18:4).

Tenho certeza que todas as suas atividades hoje são importantes. Mas nenhuma é mais significativa e essencial do que celebrar o dia que Jesus separou para seu descanso e alegria. Celebre conosco o dia mundial da alegria!

Visite: Sabado.org.br