quarta-feira, 27 de maio de 2009

A mentira só engana os que querem ser enganados...

Abaixo, segue uma excelente explanação sobre a situação sobre o uso de tambores, bateria e estilos de música na igreja atualmente, é longo, mas vale a pena ser lido.
.
Tenho recebido dezenas de e-mails de pessoas solicitando uma resposta ao artigo do Sr. André Reis onde ele tenta provar que Ellen White não era contra o uso de tambores na adoração.
.
Por enquanto preferi ficar na retaguarda devido ao questionamento do Sr. André ser mais explicitamente contra o artigo do Pastor Otimar da divisão sul America que saiu na revista dos anciãos deste trimestre.
.
Também tenho a informação, que um doutor em teologia formado na Andrews estará analisando e responderá em breve ao devido artigo, porém com uma exegese mais fiel. Mas devido a tanta inquietação por muitos, me senti no dever de responder algo não ao Sr. André, mas aos internautas que tem me questionado.
.
Quero dizer com pura sinceridade, que chegou o tempo onde cada um será provado por si só. Acabou o tempo onde nós ficávamos sentadinhos em casa assistindo televisão ou se divertindo com coisas não muito importantes, enquanto outros ficavam nas bibliotecas estudando por nós. Nunca foi propósito de Deus que nós baseássemos nossas crenças no que os outros pensam ou aparentemente provam.
.
O diabo aparentemente provou que Deus estava errado. E provou de tal forma que conseguiu tornar suspeito o caráter de Deus perante o universo, suspeita que só terminou 4 mil anos depois, na cruz. Portanto tomemos cuidado.
.
A Bíblia é um livro simples e claro para os que crêem integralmente no que está escrito. A Bíblia é a palavra autêntica de Deus sem nada a tirar e sem nada a acrescentar e a teologia é a palavra dos homens, isso sim tem muito a ser tirado e muito a ser acrescentado.
.
Cada dia mais fica provado que todos nós individualmente devemos estudar a Bíblia por nós mesmos. Devemos buscar sabedoria e o poder do Espírito Santo por nós mesmos. Devemos separar tempo e estudar com humildade e temor por nós mesmos. Chega de ficar bebendo da fonte dos outros, chega de ficar cavando o terreno do vizinho. Agora é o momento de começar a beber da fonte dada a nós individualmente, chegou o momento de começar a cavar as terras do nosso próprio quintal.
.
O que estou querendo dizer é que devemos estudar estudar e estudar porque se o Gilberto Theiss estiver errado, é possível que todos os que o seguirem estejam errados e se percam junto com ele.
Porém temos que ter em mente que quando estamos estudando sobre a ciência, nós nos debruçamos sobre ela. Já na Bíblia nós não nos debruçamos sobre ela, é ela que deve se debruçar sobre nós. Não podemos nos esquecer que todos nós temos QI de amebas. Nossa sabedoria é trapo de imundície e este é um argumento vitalício que prova nossa total dependência do Espírito de Deus para interpretar as coisas, não apenas com os olhos da sabedoria, mas principalmente com os olhos da fé, da humildade, do temor e do Espírito.
.
Como no exemplo do profeta Jeremias, sempre existirão os Falsos profetas como Ananias. Para cada verdade que proclamarmos o diabo terá duas mentiras, aliás, a mentira sem um pouco de verdade não engana ninguém, pois a mentira é como uma trepadeira, que precisa da verdade para se apoiar. Enquanto Jesus não voltar, sempre, sempre e sempre se levantarão aqueles que tentarão dizer que o santo é profano e que o profano é santo. E por falar nisso, a mensageira do Senhor para o tempo do fim, deixou bem claro isso, de que a linha que separará a verdade da mentira será quase que imperceptível aos olhos. Se isso será fato, porque então ficamos brincando que sabemos tudo e de tudo? Chegou o tempo de rasgarmos as vestes, proclamarmos um jejum, de nos humilhar e dizer para Deus ensina-nos porque não sabemos absolutamente nada.
.
A humanidade, a ciência, a filosofia, a sociologia e principalmente a religião, tem sido afetados pelo vírus da relatividade. Hoje em dia com o humanismo, a imanência e o relativismo em alta, até os professos cristãos tem sido infectado por esta praga. A relatividade se baseia na alternância, numa verdade que não existe ou em uma verdade relativa, ou seja, cada um tem e constrói a sua própria verdade. Prática homossexual é errado? Isso é relativo. Viver com duas mulheres é errado? É relativo. Jesus é Deus? É relativo. Roubar é errado? É relativo. O sábado é o verdadeiro dia do Senhor? É relativo. Ter bateria na igreja é errado? É relativo. Tudo hoje é relativo. O sim é não e o não é sim. Não existem coisas profanas e nem coisas santas. Não existe alimento errado, não existe música errada, não existe ato conjugal errado, etc, etc, etc, etc,.!!!!!!
.
Hoje em dia não é Deus quem dita mais as regras. Deus gosta do que eu gosto. Se eu gosto de pagode, Deus gosta também. Se eu gosto de rock, Deus gosta também. Se eu gosto de dançar, Deus gosta também. Se eu gosto de música com bateria, Deus gosta também. Hoje em dia existe até religião que presta o culto a Deus oferecendo-lhe orgia sexual!!!! Por quê? Porque se eu gosto de sexo, então Deus gosta também.
.
Interessante que Ellen White escreveu que se o profeta Daniel vivesse em nossos dias em nosso meio, ele seria considerado fanático. Por quê? É simples. Tente viver uma vida piedosa diante de Deus e dos homens e sentirá na pele o que significa ser chamado de fanático, exagerado, quadrado, anti-social, esquisito e tradicionalista.
.
Um dia um internauta me disse que estamos agindo fora do equilíbrio. Mas esta afirmação exige uma pergunta séria: Quem é que vai definir o equilíbrio, eu, você ou a palavra de Deus? Pasmem se quiserem, mas todas as verdades da palavra de Deus já estão na moldura no equilíbrio, pois “nada deve ser acrescentado e nada deve ser tirado” (Eclesiastes 3:14).
.
E quanto ao artigo do André Reis?
.
A bíblia apresenta verdades claras a respeito da música e instrumentação. Na história de Davi conduzindo a arca, (II Sam. 6:5 e I Cron. 13:8, I Cron. 15:16) está explicito a exclusão dos tambores, mas no artigo do Sr. André isso não ocorre. Na história da adoração no templo sagrado os tambores ficaram de fora (II Cr 29:25,26), mas no artigo do Sr. André isso não ocorre. Na história da igreja primitiva não se houve mais falar nem de dança e nem de tambores, aliás, os discípulos da igreja primitiva tinham tanto medo de desvirtuar a música de adoração que nem sequer usaram instrumentos para correr tal risco. Mas no artigo do Sr. André, os tambores continuam sendo defendidos. Na história seqüencial da música na adoração continuou sendo uma réplica das músicas e instrumentação produzidas no templo (Esdras 3:10; Neemias 12:27), como sempre, com a exclusão dos tambores, mas no artigo do Sr. André isso não ocorre. No ocorrido em Indiana, Ellen White fala das coisas estranhas que ocorriam ali na música (Eventos Finais, p. 138; Mensagens escolhidas, vol 2 – 36). Falando de instrumentos estranhos, apenas citou os “tambores”. Mas no artigo do Sr. André isso não é estranho. Ainda na mesma história, Ellen White disse que isso se repetiria antes do término da porta da graça. Profetizou que haveria gritos com tambores, música e dança, em nosso meio e que tal exibicionismo não era produzido pelo Espírito de Deus mas por outro Espírito. Mas o Sr. André conseguiu ir um pouco além da revelação para dizer que o que ela disse na verdade não quis dizer!!!! Ou que ela apenas deixou de dizer o que queria dizer e que acabou não dizendo. Bom, se você não entendeu nada, nem eu!!!! Mas a pergunta que surge é: No que devemos crer, na Bíblia ou no artigo do Sr. André? A escolha no que acreditar é totalmente sua, individual. (As fontes, textos e provas bíblicas das minhas afirmações podem ser encontradas no menu ao lado na seção “Música”)
.
Interessante notar também que no artigo do Sr. André não explica com textos explícitos o porquê que Ellen White se calou durante mais de uma década após a igreja ter banido tal instrumento, embora tenha sido usado apenas uma vez em nosso meio, repito, apenas uma vez no período de Ellen White. Ela poderia ter se levantado para se pronunciar contra uma atitude radical por parte da igreja, caso realmente a atitude fosse radical. Se o uso dos tambores na adoração a Deus fossem autorizados por Deus, com certeza Ellen White não apresentaria tal instrumento numa conotação que só causa dúvidas quanto a seu uso e com certeza a igreja continuaria a usá-lo. Mas o que vemos? Restrição total após Indiana, abandono absoluto a tal instrumento. foi usado apenas ali.
.
Quanto à citação da palavra "música", no contexto percebe-se que a música ali foi estranha e que serviu apenas para propósitos ruins e se as considerações de Ellen White fosse apenas quanto ao mau uso dos instrumentos, com certeza ela teria sido específica e não teria citado apenas os tambores. Por exemplo: Se eu tenho em minha sacola umas 8 frutas estragadas, com certeza eu tiraria todas as 8 frutas e as jogaria fora, mas e se dentre as 8 frutas eu tivesse apenas uma estragada? Claro que eu iria contra apenas aquela fruta estragada.
.
Foi exatamente o que ocorreu ali em Indiana. Ao invés de Ellen White citar todos os instrumentos por estarem sendo usados de maneira incoerente, ela simplesmente citou apenas um instrumento, TAMBORES. Isso revela que além da música mal produzida havia um instrumento em especial que também era um problema para a ocasião. Não tem sentido algum mencionar apenas um instrumento se o problema fosse com todos os instrumentos ali usados.
.
O fato de mencionar apenas um denota claramente que o problema maior se concentrava nesse e não nos outros. Usar um emaranhado de argumentação humana para provar algo como sendo positivo quando na verdade fora citado apenas de forma negativa em Indiana, é o mesmo que dizer que a cor branca na verdade não é branca.
.
Satanás está hoje preparando o mundo para uma unificação global, tanto política quanto religiosa. Está preparando o mundo para um falso reavivamento. Um falso reavivamento que irá criar uma falsa chuva serôdia, uma falsa chuva serôdia que criará um falso alto clamor, um falso alto clamor que fortalecerá um falso cristianismo, um falso cristianismo que fortalecerá falsos cristãos que por conseqüência final preparará todos para a vinda do falso cristo. Tenho plena convicção que a música está dentro deste plano diabólico. Não vejo outro meio mais eficaz para unificar as igrejas do que a música.
.
Um dia um rapaz de uma igreja pentecostal na qual eu tinha amizade, disse-me que ia para São Paulo passar algumas semanas. Nessa conversa de vai e vem, ele me disse que não sabia que igreja ele iria freqüentar por lá, uma vez que em São Paulo não tinha a igreja que em Minas Gerais ele freqüentava. Então eu sugeri que ele visitasse a igreja adventista em São Paulo. Para minha surpresa ele respondeu: Na igreja adventista eu não vou, porque o culto de vocês não são como os nossos, com bateria, música alegre (ele quis dizer agitada) e o falar em línguas (ou seja, o êxtase). Como é percebível nesta história realíssima, a música quebra fronteiras, quebra conceitos e unifica igrejas e pessoas. Em suma, a música é uma âncora fortíssima que facilitará a unificação e a constituição da babilônia espiritual. Mãe e filhas unidas.
Poderíamos ainda dizer que o alvo de ataque de satanás sempre foi e sempre será os instrumentos de adoração ao verdadeiro Deus. O Sábado e a música, dois fortíssimos instrumentos que Deus criou para o adorar.
Gostaria de apelar para que os internautas lessem os artigos que estão na seção “MÚSICA” e analisassem com cuidado e com temor as verdades expostas na palavra de Deus sejam elas objetivas ou subjetivas. E quanto ao Sr. André, atentem para todos os detalhes de seu artigo e o quanto ele aplica mal sua exegese ao usar textos que não estão inseridos ao mesmo contexto de Indiana.
.
Se alguém estiver com o desejo de investigar melhor o artigo do Sr. André, gostaria que começassem a investigar as suas credenciais de mestrado e doutorado. Penso que ele não poderia jamais ser uma autoridade em música para a IASD uma vez que fez suas graduações em música em instituição secular que nem sequer tratem da música no contexto religioso e principalmente ao contexto do grande conflito entre Cristo e satanás. Beber água de fontes espúrias quando temos água limpa em Giliade não nos dá nenhum tipo de moral para falar deste assunto.
.
Termino deixando abaixo alguns textos a mais do Espírito de Profecia para que você leitor leia com muita atenção e reflita profundamente com oração e jejum pedindo a Deus que lhe ajude a enxergar a linha que separa o erro da mentira.
.
Veja essas declarações amais de Ellen White sobre a música:
.
"Movimentos corporais são de pouco proveito. Tudo o que está ligado, de alguma forma, com o serviço religioso deve ser digno, solene e impressivo....Pode-se dizer o mesmo do canto. (Manuscrito 5, 1874)

"Pensam alguns que, quanto mais alto cantarem, tanto mais música fazem; barulho, porém, não é música. O bom canto é como a melodia dos pássaros - dominado e melodioso." ( EV., pág. 510)
.
"Vi que todos devem cantar com o espírito e com o entendimento também. Deus não se agrada de algaravia e desarmonia (dissonância)." (Testimonies, Vol. 1, pág. 146 TS. Vol. 1, pág. 45)
.
"A arte da melodia sagrada era diligentemente cultivada [na Escola dos Profetas]. Não se ouviam valsas frívolas ou canções petulantes que elogiassem o homem e desviassem de Deus a atenção; ouviam-se, porém, sagrados e solenes salmos de louvor ao Criador, que engrandeciam Seu nome e relatavam Suas obras maravilhosas." (FEC.pág. 97)
.
"Adejam anjos em torno de uma habitação além. Jovens estão ali reunidos; ouvem-se sons de música em canto e instrumentos. Cristãos acham-se reunidos nessa casa; mas que é que ouvis? Um cântico, uma frívola canção, própria para o salão de baile. Vede os puros anjos recolhem para si a luz, e os que se acham naquela habitação são envolvidos pelas trevas. Os anjos afastam-se da cena. Têm a tristeza no semblante. Vede como choram! (Mensagens aos jovens, p.295)
.
“O que você descreveu como tendo acontecido em Indiana, o Senhor revelou-me que haveria de ocorrer imediatamente antes da terminação da graça. Demonstrar-se-á tudo quanto é estranho. Haverá gritos com tambores, música e dança”. ME, pág. 36 e Música, sua influência na vida do cristão, pág. 38 e 39.
.
“Os que participam do suposto reavivamento recebem impressões que os levam ao sabor do vento...Nenhuma animação deve ser dada a tal espécie de culto.” ME, vol 2 – 37
.
“O Senhor mostrou-me que seriam introduzidos em nossas reuniões campais teorias e métodos errôneos, e que a história do passado se repetiria. Senti-me grandemente aflita. Fui instruída a dizer que, nessas demonstrações, acham-se presentes demônios em forma de homens, trabalhando com todo o engenho que satanás pode empregar para tomar a verdade desagradável às pessoas sensatas; O inimigo estava procurando arranjar as coisas de maneira que as reuniões campais, que têm sido o meio de levar a verdade da terceira mensagem angélica perante as multidões, venha a perder sua força e influência. Assim busca satanás pôr seu selo sobre a obra que Deus quer que se destaque em pureza. O Espírito Santo nada tem que ver com tal confusão de ruído e multidão de sons. Satanás opera entre a algazarra e a confusão de tal música, a qual , devidamente dirigida seria um louvor e glória para Deus. Ele torna seu efeito qual venenoso aguilhão da serpente.” ME, vol 2 – 37
.
“O Espírito Santo nunca se revela por tais métodos, em tal balbúrdia de ruído. Isso é uma invenção de satanás para encobrir seus engenhosos métodos para anular o efeito da pura, sincera, elevadora, enobrecedora e santificante verdade para este tempo”. ME, vol 2 – 36

Fonte: Blog do Gilberto Theiss
(http://gilbertotheiss.blogspot.com/2009/05/mentira-so-engana-os-que-querem-ser.html)

domingo, 24 de maio de 2009

Uso de Gravuras e Ilustrações é Pecado?

Autor: Prof. Gilson Medeiros


Recebi a seguinte dúvida de um leitor do blog:

"O uso de imagens e ilustrações de Jesus em folhetos, cartazes, livros, lições, etc., não seria uma violação ao segundo mandamento? Até que ponto estamos proibidos de usar tais ilustrações?"

Algum tempo atrás eu conheci um Ancião de Igreja, bastante sincero, que também era fortemente contra o uso de folhetos com imagens de Jesus, pois ele dizia que isto era uma "adoração", o que estava frontalmente contra a determinação do 2º Mandamento.

Mas até que ponto isto é verdadeiro? O uso de folhetos com gravuras e desenhos de Jesus, anjos, etc., pode mesmo ser considerado como uma violação ao mandamento? O que o Espírito de Profecia diz sobre isso?

Vejamos...

O USO DE GRAVURAS E QUADROS NA IGREJA

A Bíblia foi dada para comunicar a salvação e nos ensinar como devemos agir em todas as coisas. Em todas as saus partes encontramos parábolas e experiências para estimular a imaginação do leitor em quadros vivos, como se as pessoas estivessem vendo as coisas que são relatadas nas Escrituras.

Deus, porém, não Se contentou apenas em relatar histórias e parábolas ao transmitir a verdade, mas usou também sonhos e visões que eram verdadeiramente o áudio-visual de Deus para os profetas a fim de que pudessem compreender "vendo", o que não entenderiam apenas ouvindo e lendo. Daí que, se o próprio Deus necessitou de usar o visual de sonhos e visões para fazer Seus servos entenderem Sua mensagem, quanto mais nós hoje em dia necessitamos usar gravuras para tornar a mensagem mais clara e atrativa, devido a nossa linguagem ser muito limitada e imperfeita!

Por isso que a Igreja Adventista sempre usou, desde o princípio, quadros ilustrativos na proclamação da verdade.

Exemplos bíblicos

Deus deu o Espírito Santo para que dois artistas pela ordem do próprio Deus bordassem anjos de várias cores nas cortinas do santuário que foi ordenado a Moisés fazer. Também o Senhor mandou fazer duas estátuas de anjos de ouro, para representar as hostes angélicas. Esta orientação foi dada por Deus após os dez mandamentos em Êxodo 20 (veja Êxodo 36:1-2,8 e 37:7-9)

Deus não proibia as imagens, mas sim sua ADORAÇÃO. Seria contraditório o Senhor Deus proibir estátuas em Êxodo 20:3,4 e mandar, Ele mesmo, fazê-las em Êxodo 25:18 e Números 21:8,9. Deus proíbe a adoração das imagens, mas não proíbe gravuras e imagens para representar a verdade. Em Números 21:8,9 Deus mandou fazer uma imagem de serpente, para que os que olhassem para ela fossem curados. Por que Deus fez isso? Para que entendêssemos que uma mensagem pode ser dada através de uma figura, mesmo a figura de uma cobra. Aliás, aquela imagem de serpente, diz o evangelho de João, era uma representação do Senhor Jesus Cristo na Cruz (cf. João 3:14). Aquela imagem foi guardada por muitos anos. Mais tarde, porém, quando alguns quiseram adorar aquela serpente o rei Ezequias mandou destruí-la (2Reis 18:4). Por que só foi destruída quando passou a ser adorada? Por que foi guardada por tanto tempo?

Porque aquela serpente de metal lembrava um grande livramento de Deus e representava a Sua salvação, por isso foi guardada e somente destruída quando passaram a adorá-la, queimando-lhe incenso. O mal não estava na imagem em si, mas em adorá-la.

Outro exemplo bíblico é o do Templo construído por Salomão. Ali haviam muitas figuras de plantas, animais e anjos (e até estatuas!), mas o Senhor abençoou o Templo, pois todas aquelas figuras não eram com o objetivo de adoração, mas de ornamento e representação (1Reis 7:20, 22, 25, 26, 29, 36; 2Crôn. 3:7, 10, 14.) Havia no Templo desenhos de romãs, flores de lírios, querubins, palmas, leões e bois. No entanto, mesmo com tantos desenhos, figuras e imagens, a glória de Deus encheu o Templo (1Reis 8:10,11).

As pessoas que combatem ilustrações e figuras na igreja, de certa forma, estão querendo ser mais rigorosas do que o próprio Deus, autor do mandamento. Por que Deus aceitou uma casa tão cheia de imagens e figuras de anjos, flores, plantas e animais? Deus aceitava a idolatria naquele tempo mesmo tendo-a proibido? Não! Deus não muda (Malaquias 3:6), e Jesus é o mesmo ontem, hoje e eternamente (Hebreus 13:8).

DEUS não proíbe figuras, como ELE MESMO DEU EXEMPLO; Ele proíbe, isso sim, é adorar as figuras.

A Bíblia nos ensina a usar figuras e imagens para ilustrar e embelezar as coisas de Deus, pois, como diz o apóstolo Paulo, tudo o que foi escrito nas Escrituras o foi para o nosso ensino. Sigamos, pois o ensino da Palavra de Deus, em lugar do ensino de pessoas falhas, que querem proibir o que Deus não proibiu, indo além do que está escrito, pois isso as torna soberbas em relação aos outros irmãos, com o pensamento de que "sou mais santo que vocês" (1Cor. 4:16).

Esses exemplos bíblicos são suficientes para que todos os que quiserem, entendam que o uso de gravuras e desenhos servem como uma representação da mensagem e não como idolatria. Além disso, se Deus usou uma cobra para representar Jesus Cristo pode-se muito bem representá-Lo com uma figura humana. E, assim como não era para adorar a cobra, nós também não adoramos figura qualquer, nem mesmo a de Jesus, pois usamos as figuras com o mesmo objetivo que Deus usou: ornamentar, representar e ilustrar.

Para deixar de forma mais clara o que a Bíblia diz, citaremos alguns trechos do livro Evangelismo, escrito por Ellen G.White, página 203 a 216:

"Dedicastes muito estudo ao assunto de como tornar interessante a verdade e os quadros que fizestes estão em perfeita conformidade com o trabalho que precisa ser feito. Esses quadros são, para as pessoas, lições objetivas. Pusestes vigor de pensamento na obra de produzir estas notáveis ilustrações. E elas exercem efeito notável ao serem apresentadas ao público em reivindicação da verdade. Usa-as o Senhor para impressionar as mentes. Fui instruída clara e nitidamente quanto a deverem usar-se quadros na apresentação da verdade".

"O uso de quadros é muitíssimo eficaz para explicar as profecias referentes ao passado, presente e futuro".

"...figuras que possuem poder convincente. Tais métodos serão usados mais e mais neste trabalho de finalização".

Uma advertência aos inimigos das ilustrações

"... Alguns haviam estado trazendo falsas provas, e transformando em critério único suas próprias idéias e noções, exagerando assunto de pouca importância até torná-los em prova de discipulado cristão, e impondo cargas pesadas aos demais. Assim se introduziu um espírito de crítica, acusação e dissensão, que foi um grande prejuízo para a igreja. E deu-se aos crentes a impressão de que os adventistas observadores do sábado eram uma seita de fanáticos e extremistas, e que sua fé peculiar os tornava rudes, descorteses e de caráter realmente anticristão. Assim o procedimento de uns poucos extremistas impediu que a influência da verdade alcançasse o povo. (...) Uns poucos condenavam as figuras, insistindo em que são proibidas pelo segundo mandamento, e que tudo quanto é dessa espécie deve ser destruído. Esses homens unilaterais nada mais vêem além dessa coisa única que se encasquetou na mente. Faz anos tivemos que enfrentar esse mesmo espírito e essa obra. Surgiram homens que pretendiam haver sido enviados com uma mensagem de condenação das figuras, insistindo em que toda semelhança de qualquer coisa fosse destruída. Chegaram a extremos tais de condenar os relógios que tinham figuras ou imagens... Umas poucas pessoas de XXX foram ao extremo de queimar os quadros de que eram possuidores e destruir até os retratos dos amigos" - Evangelismo, pág. 215 e 216.

Portanto preferimos seguir o conselho do Espírito de Profecia em vez das opiniões humanas.

Fonte Documental: Adaptado de Material do Pr. Demóstenes Neves (SALT-IAENE)

Fonte na Internet: Blog do Prof. Gilson Medeiros
(http://prgilsonmedeiros.blogspot.com/2009/05/uso-de-gravuras-e-ilustracoes-e-pecado.html)

domingo, 17 de maio de 2009

Fermento racista

Circula na internet um vídeo que faz parte de uma pesquisa sobre a inconsciência do racismo entre crianças negras. Peço licença para fazer alguns comentários. Tive meu primeiro professor negro apenas no 2° Colegial, e nunca tinha me dado conta disso. Era Geraldo. Foi meu melhor professor de História. Sua esposa, também negra, era uma ótima professora de Sociologia. Eles eram tementes a Deus. Tenho saudades deles. Estudando o assunto, descobrimos que não existem raças, mas etnias; não há gente “de cor”, mas gente negra ou mulata. As palavras “negro” ou “negra” são tão bonitas e honrosas quanto “morena”, ou “branco”. Na verdade, não há negros, brancos, índios e “olhinhos puxados”, mas pessoas. Todos somos simplesmente pessoas. Portanto, por exemplo, ao apontar uma pessoa em meio a um grupo, não fale: “Aquele preto ali” ou “Aquele senhor de cor”, mas “Aquele senhor negro” ou “Aquele senhor de camisa listrada”, assim como você faria normalmente para identificar outros. Trate as pessoas como tais, sem desmerecê-las, pois, às vezes, fazemos isso sem perceber. Sei que muitos de nós já temos consciência disso.

Em relação à chamada superioridade branca, chego a pensar que não passa de receio quanto a uma possível superioridade negra, manifesta com muita superação e lágrimas em diversas áreas. Que o diga Jesse Owens, atleta negro que ganhou quatro ouros olímpicos diante de Hitler e seu surpreso estádio nazista em 1936. Posso imaginar você acrescentando em sua mente nomes como Martin Luther King Jr., Lewis Hamilton (atual campeão de F1), Nelson Mandela, Barack Hussein Obama, Ben Carson (o neurocirurgião adventista de fama mundial), Joaquim Barbosa (STF), Rodrigo Pereira da Silva (primeiro adventista negro a ser professor de Teologia no Brasil) e tantos outros.

Deus nos criou iguais biológica e moralmente. A cor da pele responde apenas por zero vírgula zero, zero... alguma coisa do DNA – isso é fato. Nosso cérebro tem um quilo e meio. Há espaço para todos debaixo do Sol; todos só precisam de oportunidade.

Fico profundamente indignado com essa hipocrisia, às vezes silenciosa, que será extirpada apenas no Céu. Vivemos num campo de concentração há mais de seis mil anos, mas podemos nos livrar do fermento racista individualmente, em Cristo Jesus.

(Diogo Cavalcanti, pastor e jornalista)

Fonte: Criacionismo
(http://criacionista.blogspot.com/2009/05/fermento-racista.html)

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Você faz sexo COM prazer ou POR prazer?

Uma das perguntas mais freqüentes que recebo diz respeito à maneira de se fazer sexo. Cada e-mail e carta que leio fazem com que reforce minha opinião de que as igrejas precisam investir ainda mais em cursos preparatórios para o casamento. Quero que a resposta a seguir lhe motive a continuar em sua busca pelas orientações de Deus referentes ao ato conjugal. Recomendo que leia bons livros cristãos com seu cônjuge (ou quando estiver no noivado, não sendo casado no momento), o que será uma forma agradável (e correta) de aprender sobre um aspecto tão importante da vida.

Vamos à resposta à pergunta frequente que chega até mim: “é pecado praticar sexo oral e sexo anal?”

O sexo é um presente de Deus para os casais casados (Gênesis 2:24) dado para a procriação (Gênesis 1:28) e para o prazer e deleite (Provérbios 5:18, 19; Livro de Cânticos). Portanto, a relação sexual dentro do contexto do casamento, que envolve segurança, não é pecado.

Sobre a forma de praticar o sexo, a Bíblia apresenta alguns conselhos. Deus, o criador do prazer sexual, projetou o nosso corpo para que possa desfrutar da relação da maneira mais prazerosa e saudável.

A Bíblia CONDENA:

1) O sexo anal - 1Cor. 6:9 (termo “sodomia”). O ânus não possui lubrificação própria e não foi projetado pelo Criador para ser penetrado com o pênis, algo doloroso para a grande maioria das mulheres. Especialistas dizem que os músculos desta região do corpo ficam mais fracos, causando dificuldades para segurar as fezes. Além disso, as bactérias anais, quando entram em contato com a vagina da mulher durante a penetração vaginal, produzem infecções, e bem desagradáveis. O corpo é o templo do Espírito Santo (1Cor. 3:16, 17; 6:19, 20), ou seja, SAGRADO. Não deve sofrer lesões e precisa ser cuidado para que qualquer tipo de infecção não prejudique seu bom funcionamento.

2) Sexo durante o período menstrual - Lev. 18:20. As paredes vaginais ficam sensíveis durante o período menstrual e a penetração pode causar maiores sangramentos. Algumas mulheres que têm grande vontade de fazer sexo nesse período optam por ser acariciadas manualmente pelo marido quando há uma pequena pausa na menstruação. Outras, inclusive os maridos, não suportam nem pensar em tal possibilidade de satisfação.

Para mais informações sobre práticas sexuais ilícitas, ler todo o cap. 18 de Levítico.

A Bíblia NÃO SE POSICIONA:

1) Sobre o sexo oral - os especialistas cristãos diferem em seus pontos de vista sobre este assunto. Alguns acham que não há problemas em o casal fazer carícias orais antes da penetração se ambos forem pessoas saudáveis. Outros acreditam que os tecidos bucais não são resistentes às bactérias genitais e, portanto, não recomendam.

2) Sobre o tipo de posição que o casal pode adotar ao fazer sexo.

1 Coríntios 7:3-5 apresentam orientações que podem ajudar o casal a decidir sobre como dar prazer ao outro (o sexo não pode ser egoísta):

a) Verso 3 - cada um deve conceder aquilo que é devido à pessoa amada. Marido e mulher precisam entrar num consenso ao expor a forma como gostariam de ser acariciados (com carícias orais ou não);

b) Verso 4 - tanto um quanto o outro têm o dever de satisfazer o desejo sexual do outro, quando houver condições físicas e psicológicas para isso, é claro;

c) Verso 5 - marido e mulher não devem ficar muito tempo sem fazer sexo porque satanás pode aproveitar a situação e colocar outra pessoa no caminho.

Concluindo: o casal cristão não deve praticar aquilo que Deus condena na Bíblia e, sobre aquilo que não foi relevado, ambos precisam dialogar e decidir JUNTOS, considerando o princípio de Rom. 14:22, 23. JAMAIS o cônjuge deve ser pressionado ou obrigado a fazer aquilo que não quer, pois não respeitar a sensibilidade e a consciência moral do outro se constitui em GRAVE pecado.

Deus lhe abençoe ricamente,

Leandro Soares de Quadros
Jornalista - consultor bíblico
www.novotempo.org.br/namiradaverdade

Fonte: Advir

quinta-feira, 7 de maio de 2009

O poder da oração de intercessão!

Tempos difíceis? Insegurança? Lutas espirituais? Hora de redobrar os esforços de oração!

Partilho um estudo do amigo Nuno Neves, bem fundamentado e explicando muito bem como Deus pode agir quando alguém usa o poder da oração intercessória..

“O segredo do poder de Jesus era o segredo da oração de intercessão. Se nós quisermos ser ganhadores de almas, o poder do Céu descerá sobre nós, na medida em que dobrarmos os nossos joelhos para orar em favor das pessoas, individualmente. À medida que orarmos pelos outros, Deus nos dará a sabedoria que necessitamos para os alcançarmos (Tiago 1:5).

Ele fornece-nos as chaves para alcançarmos os seus corações. Como resultado da oração e através da influência do Espírito Santo, Deus atua em seus corações, usando meios que, sem oração, não seriam possíveis.

No grande conflito entre o bem e o mal no universo, Deus respeita a liberdade humana. Ele dá a cada um dos Seus filhos a oportunidade de escolha. Por meio dos anjos, da influência do Espírito Santo e das providenciais circunstâncias da vida, Deus procura realizar o que Lhe é possível sem violentar a liberdade humana para ganhar almas para Si.

Quando colocamos determinadas pessoas perante Deus, nas nossas orações de intercessão, respeitando, embora, a nossa liberdade, Ele derramará o Seu Espírito Santo sobre nós para os alcançar. Tornamo-nos canais da Sua influência, tornamo-nos condutos do Seu poder. A água da vida jorrará do trono de Deus, para mitigar a sede das almas, através de nós. No conflito entre o bem e o mal, “Deus fará em resposta à oração da fé o que Ele não faria se não pedíssemos” (Grande Conflito, pág. 525, em inglês).” In Examinai Tudo...!, Mark Finley, pág. 219, 220

O Pr. Alejandro Bullón, numa série de estudos bíblicos intitulada “Ouvindo a voz de Deus”, contando com a presença e participação da jornalista Márcia Ebinger e do líder de jovens Elmar Borges, num desses estudos cujo contéudo é o plano da salvação, ao ser questionado por Elmar Borges sobre a questão da oração de intercessão, completa o esclarecimento dado no texto anterior por Mark Finley, ao demonstrar através de um exemplo o que acontece, na prática, quando oramos em favor de alguém:

Elmar Borges: “Pastor, se a salvação é uma decisão pessoal, isto é, eu decido, eu quero, eu aceito, e eu sou salvo pela graça, é uma coisa individual. Você acredita nessa história de oração intercessória, ou seja, eu orar em favor de outra pessoa para que essa pessoa possa ser salva?... Existe essa possibilidade?”

Pr. Alejandro Bullón: “... Vamos dizer que a Márcia não quer saber nada de Deus, não quer saber nada de Cristo, não quer saber nada de salvar-se. Mas você gosta dela e quer que ela se salve, e agora você ora e ora e ora a Deus. Então vem a pergunta que você está querendo fazer: vale a pena orar por ela quando ela não quer saber nada de salvar-se? Vale a pena. Mas porquê? Pelo seguinte: se você não orar por ela, e o Espírito Santo trabalhar no coração dela para ela se salvar, o diabo, que é astuto, vai dizer a Deus: “Espera Deus, porque é que está trabalhando com a Márcia se a Márcia não quer nada? Você não diz que respeita a liberdade? Porque não está respeitando a liberdade dela? Ela não se quer salvar. Porque é que o Teu Espírito está incomodando ela? Por acaso ela pediu? Ela não pediu. Porque está atormentando ela?” Então, quando você ora em favor dela, e o diabo chega junto a Deus e diz: “Porque está trabalhando com a Márcia se a Márcia não pediu?”, você está dando um argumento a Deus, porque Deus responde assim “Tudo bem, a Márcia não pediu, mas o Elmar pediu, eu não estou respondendo à oração da Márcia, porque a Márcia não pediu nada, estou respondendo à oração de Elmar, porque eu respondo a todas as orações”.
Quer dizer, quando você ora em favor de outra pessoa, está dando a Deus um argumento para Ele continuar fazendo o Seu trabalho de tocar o coração das pessoas.”

Esta sucessão de acontecimentos que o Pr. Alejandro Bullón menciona aplica-se portanto quando oramos em favor de:

a) Pessoas que não querem nada com Deus, nomeadamente ateus, agnósticos ou pessoas pertencentes a outras denominações religiosas;

b) A crentes que voluntariamente, pelas suas escolhas e comportamentos pecaminosos prolongados, persistindo neles e continuando dessa forma a fazer a sua própria vontade, excluem de si mesmas a presença do Espírito Santo, o qual após insistir várias vezes com elas se retira. São pessoas que recusam desta forma o único meio pelo qual Deus pode chegar a elas e trabalhar nos seus corações.

Perante isto, em jeito de apelo e para animar, não só para oração de intercessão mas para a individual:

Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores. Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite, em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis: a oração feita por um justo pode muito nos seus efeitos” Tiago 5:13-16.

“Irmãos, se algum de entre vós se tem desviado da verdade, e alguém o converter, saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador salvará da morte uma alma...” Tiago 5:19, 20.

“Não estejais inquietos por coisa alguma, antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas, diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos, em Cristo Jesus...” Filipenses 4:6, 7.

“E invoca-Me no dia da angústia; Eu te livrarei, e tu Me glorificarás” Salmos 50:15.

“... mas enchei-vos do Espírito; falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração; dando sempre graças por tudo ao nosso Deus e Pai, em nome do nosso Senhor Jesus Cristo” Efésios 5:18-20.
“Por isso, vos digo que tudo o que pedirdes, orando, crede que o recebereis, e tê-lo-eis” Marcos 11:24.

“E Eu vos digo a vós: pedi, e dar-se-vos-á: buscai, e achareis: batei, e abrir-se-vos-á; porque, qualquer que pede recebe; e, quem busca, acha; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á” Lucas 11:9, 10.

E se depois disto ainda precisarem de motivação extra para orar, vejam alguns testemunhos incríveis aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Fiquem com Deus.
De um irmão em Cristo.'

Autor: Nuno Neves, arqueólogo, membro da IASD Coimbra


Fonte: O Tempo Final
(http://otempofinal.blogspot.com/2009/05/o-poder-da-oracao-de-intercessao.html)

terça-feira, 5 de maio de 2009

Discipular e Crescer

Esta pergunta, à primeira vista, parece impertinente. Como falar que a igreja evangélica no Brasil está com algum problema de crescimento? Os números, cada vez mais animadores para os evangélicos e preocupante para os católicos, comprovam o crescimento fantástico dos evangélicos nesta última década. Temos um templo em quase cada esquina das grandes cidades. Os espaços onde funcionavam bares, cinemas, oficinas mecânicas, mercados e outros comércios, tornaram-se lugares de celebrações. Hoje pastoreio uma igreja que tem como sobrenome “Oficina de Vidas”, pois, funciona em um prédio, onde por anos foi uma oficina mecânica para automóveis.

No Brasil, o número de evangélicos dobrou em 20 anos. A revista Veja, de 03 de Julho de 2002, escreveu: “O resultado do censo demográfico no quesito religião, divulgado neste ano, mostra que mais de 15% dos brasileiros – um rebanho de 26 milhões de pessoas – são protestantes. É um percentual cinco vezes maior que em 1940 e o dobro do de 1980. Em Estados como Rio de Janeiro e Goiás, o índice supera 20% dos habitantes. No Espírito Santo e em Rondônia, os evangélicos passam de um quarto da população. Esse ritmo indica que metade dos brasileiros poderiam estar convertidos em cinco décadas – um tempo mínimo quando se fala em avanço religioso.”

Bem, talvez pudéssemos mudar a pergunta para: Qual é o fator que mais inibe o crescimento saudável da igreja evangélica no Brasil? Sabemos que diante desta pergunta muitas razões poderiam ser elencadas, tais como: falta de ética, ausência de compromisso, superficialidade na fé, pouco ou quase nenhum conhecimento bíblico, igrejas comerciais, etc e etc...Contudo, gostaria de me deter num fator que está atrás de muitos outros na deterioração da igreja evangélica brasileira, e quem sabe das igrejas no mundo inteiro: a perda de um processo sério, dinâmico e conseqüente de discipulado.

... O alicerce e maior investimento que Cristo fez, para o crescimento de Sua igreja, foi criar um movimento de discipulado a partir de seus 12 discípulos.

... O que é discipulado? Keith Phillips em seu livro, A Formação de um Discípulo, pág.16, escreve: “O discipulado cristão é um relacionamento de mestre e aluno, baseado no modelo de Cristo e seus discípulos, no qual o mestre reproduz tão bem no aluno a plenitude da vida que tem em Cristo, que o aluno é capaz de treinar outros para ensinarem outros.” O discipulado é um relacionamento. Deus fez discipulado conosco quando se relacionou. “O Verbo se fez carne e habitou entre nós...” Jo1:14. Sem este relacionamento direto, encarnado, Deus não poderia nos ensinar de si mesmo.

Para que temos dedicado nossas vidas? Para quem temos dado a maior parte do nosso tempo? Estamos encarnados (nossa missão) para quê? Se dissermos que somos discípulos de Jesus, nossa missão deverá ser a mesma: fazer discípulos!!! Como podemos então quebrar este ciclo de descompromisso com o discipulado na igreja brasileira? Começando pela nossa própria vida. Deus pode nos usar para mudar esta história.

Pensemos em três chaves para isso: Primeiramente você deve ter um discipulador. Discípulo consegue discipular bem melhor se estiver sendo discipulado. É um processo, e como todo processo ele precisa de um início, meio e fim. O início é ter alguém investindo em sua vida. Um líder pastoral ou mentor a quem você prestará contas com freqüência. Esta pessoa deverá entender os valores de um processo sério de discipulado. Está difícil encontrar, mas se procurar com diligência, irá encontrar. Esta pessoa deverá caminhar com você, lhe auxiliando em seu crescimento relacional (com Deus, consigo mesmo, com sua família, com seus líderes, com sua igreja, com o mundo ao seu redor); crescimento de caráter (auxiliando a enxergar as áreas do seu coração que precisam de uma renovação - e não são poucas); crescimento em conhecimento bíblico (precisamos de um conhecimento da Palavra de Deus para usarmos em nossa defesa e ataque – foi assim que Jesus fez quando tentado pelo diabo. Lc 4:1-13); crescimento em habilidades ministeriais (nos ajudando a conhecer nossos dons, paixão e lugar certo no corpo de Cristo para nos sentirmos úteis.Em segundo lugar você deve compreender e praticar as disciplinas espirituais de um discípulo de Jesus e se dedicar a elas de corpo, alma e espírito. Jesus nos ensina a vida simples, a comunhão, a oração, a Palavra de Deus, e o evangelismo (testemunho). David Kornfield em seu livro As Bases na Formação de Discipuladores, pág. 25, Ed. SEPAL – escreve: “Um discípulo é uma pessoa cujo compromisso principal na vida é seguir a seu mestre, desenvolver-se para ser como seu mestre, e fazer a vontade de seu mestre.” Ser um discípulo integral e radical de Jesus é voltar a praticar as coisas que Jesus viveu.

Como é sua vida? Simples e descomplicada com tempo para desfrutar do amor de Deus e se dedicar às pessoas que Deus coloca em sua caminhada? Sua comunhão com outros discípulos (crentes) é estreita, intensa e transformadora? Seu tempo dedicado a Palavra lhe dá encorajamento e direção, ouvindo a Deus aqui e agora em relação à sua vida e ministério? A oração faz parte de sua sociedade com Deus, recebendo orientação em todos os aspectos, não fazendo nada sem antes confirmar com Ele? Você compartilha do evangelho e seu testemunho, regularmente, com pessoas que não conhecem a Cristo? Em terceiro lugar você deve assumir a responsabilidade de ser um discipulador. A Bíblia diz: “E as palavras que me ouviu dizer na presença de muitas testemunhas, confie-as a homens fiéis que sejam também capazes de ensinar outros” (2 Tm 2.2). Deus está buscando homens fiéis, pessoas dispostas a tornarem-se discipuladores. Elas renovarão o ciclo de crescimento com saúde da igreja brasileira.

Penso que devemos segurar um pouco nosso crescimento e relançarmos os alicerces do discipulado. Deus está desejoso de levantar um movimento de pastores, líderes e crentes discipuladores em nossas igrejas. Meu desejo ainda é ver isto acontecendo nesta geração. Não seremos mais chamados de crentes, evangélicos ou protestantes; mais sim de discípulos!

Discípulos de Jesus Cristo!Desenvolvendo as características espirituais de um discípulo, observando e aprendendo com Jesus Cristo, e, sendo encorajados por outra pessoa que nos ama significativamente e caminha conosco de maneira interessada, e sendo discipuladores de algumas pessoas que Deus coloca em nossas vidas; teremos condições de nos tornar uma grande e saudável igreja evangélica no Brasil.

Fonte: Crescimento da Igreja

O HINÁRIO ADVENTISTA É PRA JOVEM - Diretor do ministério Jovem da DSA fala sobre musica, cds jovens, hinario e bateria na igreja

O HINÁRIO ADVENTISTA É PRA JOVEM

Cantar os hinos do Hinário Adventista é celebrar os extraordinários feitos do passado. É relembrar as histórias de lutas e desafios dos nossos pioneiros. È firmar parte de nossa histórica herança de fé cristã escrita com oração e muita dedicação por parte de nossos heróis do passado. Agora, o grande desafio é voltar a cantar os nossos hinos em reuniões de juvenis, jovens e adultos. Penso que ao deixarmos de cantar os hinos do Hinário estamos dizendo que o passado tem pouca importância.

O Hinário Precisa Voltar Com Força Total
O que deve ser o Hinário para nossa juventude na atualidade? Comparo a um diamante que está perdendo o brilho sutilmente. Por quê? Porque tem sido usado muito pouco em reuniões espirituais, em nossas reuniões e cultos para jovens e juvenis. Vejo que os jovens, na maioria das vezes, só querem cantar com o uso de projetores e computadores. Acho que estamos formando uma nova geração, absolutamente dependente das maquinas como nunca.

É Imperioso Usar a Capacidade Imaginativa
Percebo que, aos poucos, estamos perdendo nossa capacidade imaginativa e reflexiva na hora da adoração a Deus. Alguns irmãos já não levam mais o Hinário Adventista para a igreja, afinal os hinos serão projetados num lindo telão super colorido e todos poderão cantar fazendo uso da mais avançada multimídia mundial. Isso não é de todo ruim, só que tem que haver equilíbrio no uso da multimídia em nossas igrejas e eventos. O que ocorre na hora do louvor é que estamos olhando, na maioria das vezes, mais as paisagens, as imagens, o lindo colorido do que a própria letra da música que estamos cantando. Assim a música perde um pouco sua eficácia de fixar a verdade em nossa mente.

Excesso de Sermões em Power Point Está Atrapalhando
O mesmo ocorre com o excesso de sermões apresentados em Power Point – o que era pra ser uma bênção está limitando intelectualmente os pregadores e os ouvintes. Estamos perdendo a beleza da profundidade do texto bíblico. A beleza, na maioria das vezes, fica só no slide e nada mais. Tenho ouvido que algumas igrejas se cansaram de sermões em Power Point, em especial no Sábado de manhã. Nossos pregadores correm o risco da superficialidade bíblica e, assim, nossas igrejas não são nutridas espiritualmente como precisam e como devem ser.

Não Perca a Capacidade de Pensar e Argüir
“Cada ser humano criado à imagem de Deus é dotado de certa faculdade própria do Criador – a individualidade – faculdade esta de pensar e agir.” Ellen White; Educação, p. 17
Voltemos a usar nossa capacidade imaginativa e reflexiva de forma especial na hora da adoração a Deus. Pensemos nas coisas do alto. Precisamos, urgentemente, usar muito mais o nosso Hinário e suas músicas belas, significativas e inspiradoras. O DVD e o Cd Jovem não vieram para substituir ou anular o Hinário. Eles são apenas algumas “ferramentas” a mais para louvarmos o nome de Jesus. A intenção dos realizadores dos DVD e CD Jovem tem sido firmar na América do Sul o tema jovem de cada ano com uma ou mais músicas especiais. Além de auxiliar as igrejas mais simples que não dispõem de músicos para tocar nossos hinos.

Que Tipo de Música Você Está Oferecendo a Deus?
Outro tema preocupante é quanto ao estilo de música que estamos oferecendo a Deus nas nossas reuniões espirituais. Temos presenciado grande diversidade de estilos musicais. Então surge a pergunta: “Que tipo de música é aceitável por Deus?”.
Percebo que o estilo de música neopentecostal está invadindo nossas igrejas. A emoção está tomando conta da adoração. Começamos com o movimento de levantar as mãos, em seguida veio a bateria elétrica e, agora, infelizmente já temos bateria acústica em algumas de nossas igrejas – isso é uma lástima. Pelo andar da carruagem, o próximo passo será dançar. Claro que isso não vai acontecer, porque Deus está no comando de Sua preciosa igreja.

O Que Ellen White Viu Em Matéria de Adoração com Instrumentos de Percussão nos Últimos Dias?
“As coisas que me descrevestes como tendo lugar em Indiana, o Senhor me revelou que haveriam de ter lugar imediatamente antes da terminação do tempo da graça. Demonstrar-se-á tudo o que é estranho. Haverá gritos com tambores (baterias), música e dança. Os sentidos dos seres racionais ficarão tão confundidos que não se pode confiar neles quanto a decisões retas.” Ellen White, Eventos Finais, p. 138. É interessante notar que a palavra para “tambores” no texto original, em inglês, da citação, é “drums”, que significa bateria. É importante frisarmos que nos centros de espiritismo e macumba os principais instrumentos usados são os tambores – a percussão. Qual música Deus aceita?

A Música Aceitável Por Deus
“A música só é aceitável a Deus quando o coração é consagrado, e enternecido, e santificado por sua docilidade”. Ellen White, Evangelismo. P. 512
O que me chama atenção na citação é a frase “o coração é consagrado”. É que o coração consagrado é seletivo, por sua natureza, na hora de escolher uma música para louvar o nome de Jesus. Esse desafio não é de hoje, é desde a época do apóstolo Paulo quando ele disse, em certa ocasião, escrevendo aos Coríntios: “Cantarei com o meu espírito, mas também com a mente...” I Coríntios 14:15.

Paulo está falando que a música que deve ser cantada na casa de Deus, em especial, deve ter um tênue equilíbrio entre nossa emoção e razão, o que não é algo fácil de acontecer, porém, também não é impossível. Estou certo que a música sacra que agrada a Deus tem sutil equilíbrio entre a letra, a melodia, a harmonia e o ritmo. O nosso Deus é o Deus do equilíbrio. Satanás é o agente da desordem e ele está sempre nos extremos, e os extremos são sempre perigosos. Quando um dos quatro elementos universais da música chama demasiadamente a atenção para si, então começamos a ter um “ruído”, digo, uma interferência na prefeita adoração a Deus.

Cantemos com Razão e Emoção
É interessante frisarmos que a palavra no original grego para “espírito” é pneuma. Essa palavra é usada tanto para descrever o princípio vital que traz vida ao corpo como o espírito racional, o poder pelo qual o ser humano sente, pensa e decide. Já a palavra para mente é nous, ela descreve as nossas faculdades de perceber, de entender, de sentir, de julgar, é a razão no sentido mais estreito, é a nossa capacidade de perceber as coisas divinas, é o poder de ponderar com sobriedade, calma e imparcialidade. A palavra pneuma também é usada no Novo Testamento para referir-se ao Espírito Santo.

A serva do Senhor, fazendo um comentário elucidativo sobre o texto Paulino de I Coríntios 14:15, disse, com firmeza: “Quando os seres humanos cantam com o espírito e com o entendimento, os músicos celestiais apanham a harmonia, e unem-se ao cântico de ações de graça.” Ellen White, Obreiros Evangélicos, p. 357.

Busquemos o Equilíbrio Espiritual na Adoração
Para mim está muito claro que, em se tratando de adoração musical ou ministério de louvor, é imperioso haver equilíbrio. Um cristão só poderá ser equilibrado espiritualmente se levar uma vida de estreita comunhão com Deus, porque daí vem sua percepção ou visão espiritual. Por quê? Por que as coisas espirituais “se discernem espiritualmente”. (I Coríntios 2:14) O Espírito Santo é quem nos fornece cada dia nova capacidade de discernimento espiritual. Já que estamos buscando o equilíbrio no louvor e na adoração A Deus, penso que estamos um pouco desequilibrados no uso excessivo dos DVDs e CDs Jovem em nossas reuniões espirituais. Se não houver uma tela grande, animada, colorida, com a letra da música e pessoas se movimentando na mesma, parece que nos limitamos na adoração a Deus. Estou convicto de que estamos perdendo nossa capacidade de imaginação e até de pensamento no que estamos louvando. Estamos supervalorizando o sentido da visão e nos esquecendo da santa imaginação e percepção espiritual.

Onde Usar o CD Jovem?
Quero pontuar algumas reuniões que considero mais apropriadas para o uso do CD Jovem, equipamento que todos os anos a igreja lança na América do Sul como subsídio para a juventude louvar a Deus. Estou certo de que o mesmo cabe para muito bem em nossas reuniões de pequenos grupos ou koinonias de jovens, camporis, acampamentos, retiros espirituais, congressos e no culto jovem se Sábado à tarde; o que também não impediria de usá-lo com mais critério em algumas reuniões formais da igreja.

Já nos cultos de quarta-feira, domingo e, em especial, no Sábado pela manhã, é imprescindível cantarmos com os hinos do Hinário. São momentos de adoração distintamente mais solenes e formais. Penso que até uma ou outra música do DVD Jovem poderia ser cantada em nossos cultos mais formais, o que não podemos é fazer disso um modus vivendi - nossa forma de adorar. O DVD Jovem na pode substituir nosso poderoso Hinário Adventista.

É claro que mesmo nessas reuniões que acabo de mencionar, também poderemos cantar hinos do Hinário Adventista em português, que tem 610 hinos. Percebo que não cantamos a metade deles porque não sabemos. O Hinário em português tem uma seção de 35 hinos voltados para os interesses peculiares da juventude. Já o Hinário Adventista em espanhol tem nove hinos voltados para os jovens, totalizando no geral 527 hinos. Também imagino que não usamos a metade.

É Imperioso Aprender Novos Hinos
O salmista diz: “Aleluia! Cantai ao Senhor um cântico novo e o seu louvor na assembléia dos santos.” Salmo 149:1. Parece-me mais oportuno que em cada culto ou reunião de jovens, reservemos um momento para aprender um hino novo do Hinário. Seria muito interessante que antes que aprendêssemos o hino, ouvíssemos um pouco da história de sua composição, o que seria extremamente enriquecedor para a juventude. Se assim fizermos, certamente o interesse dos jovens pelos hinos será outro, e o resultado será uma supervalorização dos nossos hinos, porque há sempre uma linda história por trás de cada um deles. É sempre oportuno valorizarmos mais a congregação, o todo por que “raramente deve ser o canto feito por uns poucos” (Ellen White, Evangelismo, p.504). Numa certa matéria no programa de mestrado em Teologia, ouvi de um professor que “o solo é a forma mais primitiva de adoração”. Portanto, cantemos em nossas reuniões espirituais com beleza, emoção e poder.

Deus Aceita Somente o Nosso Melhor
Quando o tema é adoração a Deus, é preciso que fique bem claro na nossa mente que Deus aceita somente o nosso melhor. Eu pergunto a você e a mim também: Tenho ofertado a Jesus aquilo que de melhor Ele me concedeu? O meu estilo musical está trazendo divisão para dentro da minha igreja, ou agrada apenas um segmento etário dentro da mesma? Os instrumentos que tenho usado na hora do louvor estão unindo ou trazendo desunião para a família de Deus? Quando faço apresentações musicais, meus irmãos me vêem como um “artista” ou como um irmão deles à serviço de Deus? Depois que me apresento, paro para ouvir o sermão em seguida ou fico rodando por aí dando autógrafos e tirando fotos? Tenho ouvido as críticas e as sugestões dos meus irmãos e tenho procurado mudar para melhor, ou minha percepção musical é o bastante?

Deus Ama o Equilíbrio e o Critério Espiritual
Ao usarmos o DVD e o CD Jovem é preciso que nos organizemos um pouco mais. Por exemplo: uma escala de pianistas e cantores encarregados de fazer o louvor é um sinal de importância para o Ministério da música. Usar mais o piano ou o órgão, em detrimento do play back reflete organização. Sempre começar os momentos de louvor com oração, orar com os músicos antes e depois dos ensaios, cuidar para que as vestimentas dos cantores e músicos estejam em harmonia com sua apresentação, levando sempre em conta a modéstia cristã. Leve em consideração que não somos artistas somos apenas os “amigos do noivo”, A glória é do noivo, o poder é do Noivo, a festa é para o Noivo, e quando o Noivo chega o amigo sai de cena.

Pastor Otimar Gonçalves
Diretor do Ministério Jovem
Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia

Revista do Ancião
Abril – Junho 2009

Fonte: Blog do Gilberto Theiss
(http://gilbertotheiss.blogspot.com/2009/05/o-hinario-adventista-e-pra-jovem.html)

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Cuidado com a TV

Excelente Post publicado por Vinicíus A. Miranda no blog Nisto Cremos, leia com atenção e que o Senhor nos ajude a fazer as escolhas certas.

O pastor americano David Wilkerson, um dos mais respeitados líderes cristãos deste século afirma que é hora de se aproveitar o tempo, e não desperdiçá-lo à frente da televisão. Ele é o criador da instituição “Desafio Jovem”, que trabalha na restauração de drogados e autor, entre outros, do livro “A Cruz e o Punhal”, best-seller que conta seu chamado para trabalhar com jovens delinqüentes em Nova York. Seu ministério teve repercussão mundial depois que se decidiu a utilizar em oração as duas horas que gastava diariamente vendo TV, nos EUA. Wilkerson relaciona 31motivos bíblicos para cristão tirar a TV de casa:

1. Temos um mandamento direto para não trazê-la para os nossos lares. “Não meterás, pois, cousa abominável em tua casa, para que não sejas amaldiçoado, semelhante a ela; de todo, a detestarás e, de todo, a abominarás, pois é amaldiçoada” (Deut. 7:26).

2. Coloca os telespectadores na roda dos escarnecedores. “Bem-aventurado é o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido” (Salmo 1:1-3).

3. Os vitoriosos não devem colocar nada que seja mau diante dos seus olhos. “Portar-me-ei com inteligência no caminho reto. Quando virás a mim? Andarei em minha casa com um coração sincero. Não porei coisa má diante dos meus olhos: aborreço as ações daqueles que se desviam; nada se me pegará” (Salmo 101:2-3).

4. Quando ativado por Satanás representa comunhão com as obras das trevas. “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?” (Cor. 6:14).

5. Polui o fluir puro dos bons pensamentos. “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento” (Fil.4:8).

6. Toca a coisa impura a respeito da qual Paulo advertiu. “Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em cousas impuras; e eu vos receberei” (2 Cor. 6:16,17).

7. É impróprio para a noiva que se prepara para Cristo. “Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo” (Apoc. 21:2). “…e habilitar para o Senhor um povo preparado” (Lucas 1:17).

8. Não devemos desperdiçar o tempo, mas remi-lo. “Pelo que diz: Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará. Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus” (Ef. 5:14-16).

9. Não devemos ser co-partícipes dos ídolos dos filhos da desobediência. “Mas a impudicícia e toda sorte de impurezas ou cobiça nem sequer se nomeiem entre vós, como convém a santos; nem conversação torpe, nem palavras vãs ou chocarrices, cousas essas inconvenientes; antes, pelo contrário, ações de graças. Sabei, pois, isto: nenhum incontinente, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus. Ninguém vos engane com palavras vãs; porque, por essas cousas, vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. Portanto, não sejais participantes com eles. Pois, outrora éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz (porque o fruto da luz consiste em toda bondade, e justiça, e verdade), provando sempre o que é agradável ao Senhor. E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as. Porque o que eles fazem em oculto, o só referir é vergonha. Mas todas as cousas, quando reprovadas pela luz, se tornam manifestas; porque tudo que se manifesta é luz” (Ef. 5: 3-13).

10. Os espectadores se assentam no trono da violência, o que remove a aflição pelo pecado. “Ai dos que andam à vontade em Sião…que imaginais estar longe o dia mau e fazeis chegar o trono da violência; que dormis em camas de marfim… as não vos afligis com a ruína de José” (Amós 6: 1,3,4,6).

11. Ela com certeza não renova a mente. “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rom. 12:1,2).

12. Representa o fermento do mundo e deveria ser lançado fora do lar. “Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda? Lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa, como sois, de fato, sem fermento.Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado” (I Cor. 5:6-7).

13. Devemos mortificar tudo que seja imundo e idólatra. Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as cousas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas cousas lá do alto, não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria; por estas cousas é que vem a ira de Deus [sobre os filhos da desobediência].” (Col. 3: 1-3, 5,6).

14. É uma linguagem obscena da qual devemos nos despojar segundo o mandamento. “Agora, porém, despojai-vos, igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena do vosso falar” (Col. 3:8).

15. Não é um viver inculpável e santo, digno de Deus. “Vós e Deus sois testemunhas do modo por que piedosa, justa e irrepreensivelmente procedemos em relação a vós outros que credes. E sabeis, ainda, de que maneira, como pai a seus filhos, a cada um de vós, exortamos, consolamos e admoestamos, para viverdes por modo digno de Deus, que vos chama para o seu reino e glória” (I Tess. 2:10-12).

16. Os espectadores não estão possuindo o próprio corpo em santificação e honra. “Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição; que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra, porquanto Deus não nos chamou para a impureza e sim para a santificação” (I Tess. 4:3,4,7).

17. É uma fonte poluidora da qual procedem a maldição e a amargura. “De uma só boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não é conveniente que estas cousas sejam assim. Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso? Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos? Tampouco fonte de água salgada pode dar água doce” (Tiago 3: 10-12).

18. Remove a vergonha causada pelo pecado. “Serão envergonhados, porque cometem abominação sem sentir por isso vergonha; nem sabem que cousa é envergonhar-se. Portanto, cairão com os que caem; quando eu os castigar, tropeçarão, diz o Senhor” (Jeremias 8:12).

19. Cristo nos chama a ungir os nossos olhos, não a envenená-los. “E colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas” (Apoc. 3:18).

20. Devemos purificar-nos de toda impureza da carne, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus. “Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus” (2 Cor. 7:1).

21. O ministério para Cristo requer que renunciemos às coisas desonestas ocultas. “Pelo que, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; pelo contrário, rejeitamos as cousas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade” (2 Cor. 4:1,2).

22. É um ídolo que causa confusão e deveria ser odiado. “E quem fizer tropeçar a um destes pequeninos crentes, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse lançado no mar” (Marcos 9:42).

23. Ofende as crianças, levando-as ao tropeço. “E quem fizer tropeçar a um destes pequeninos crentes, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse lançado no mar” (Marcos 9:42).

24. A visão conduz à prevalência da soberba. “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma; o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria aos símplices. Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; o mandamento do Senhor é puro e ilumina os olhos. O temor do Senhor é límpido e permanece para sempre; os juízos do Senhor são verdadeiros e todos igualmente, justos. São mais desejáveis do que ouro, mais do que muito ouro depurado; e são mais doces do que o mel e o destilar dos favos. Além disso, por eles se admoesta o teu servo; em os guardar, há grande recompensa. Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são ocultas. Também da soberba guarda o teu servo, que ela não me domine; então, serei irrepreensível e ficarei livre de grande transgressão. As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua presença, Senhor, rocha minha e redentor meu!” (Salmo 19:7-14).

25. Já é tarde. Cristo volta em breve. Devemos rejeitar todas as obras das trevas. “Vai alta a noite, e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas, e revistamo-nos das armas da luz. Andemos dignamente, como em pleno dia, não em orgias e bebedices, nem em impudicícias e dissoluções, não em contendas e ciúmes; mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências” (Rom. 13:12-14). “E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro” (I Jo. 3:3).

26. Deus ordena que o povo santo destrua e rejeite todos os ídolos. “Porém assim lhes fareis: derribareis os seus altares, quebrareis as suas colunas, cortareis os seus postes-ídolos e queimareis as suas imagens de escultura. Porque tu és povo santo ao Senhor, teu Deus; o Senhor, teu Deus, te escolheu, para que lhe fosses o seu povo próprio, de todos os povos que há sobre a terra” (Deut. 7:5-6).

27. É amizade com o mundo, produzindo inimizade para com Deus. “Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres. Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tiago 4:3-4).

28. A face do Senhor está contra os praticantes do mal, e os espectadores não estão apartando-se do mal, como foi ordenado. “Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a sua língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente; aparte-se do mal, pratique o que é bom, busque a paz e empenhe-se por alcançá-la. Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam males” (I Pe. 3:10-13).

29. Se você acha que se trata apenas de uma mácula em sua roupa, ainda assim está errado. “Por esta razão, pois, amados, esperando estas cousas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis” (2 Pe. 3:14). “Vós, pois, amados, prevenidos como estais de antemão, acautelai-vos; não suceda que, arrastados pelos erros desses insubordinados, descaiais da vossa própria firmeza” (1 Pe. 3:17).

30. A televisão abrange as três tentações que Satanás introduziu no Éden. “Não ameis o mundo nem as cousas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente” (I Jo. 2:15-17).

31. Os vitoriosos que vêem o Senhor na Sua glória não necessitam disto. “Que mais tenho eu com os ídolos? eu o tenho ouvido, e isso considerarei” (Oséias 14:8).

Fonte: Nisto Cremos
(http://www.nistocremos.net/2009/04/31-razoes-para-cuidar-com-televisao.html)